• Chegou a hora da verdade, golpistas

    No Blog da Cidadania

    Imagino que poucos tenham sido os que perderam tempo de sono assistindo à encenação barata levada a cabo no Senado da República na madrugada desta quinta-feira, 12 de maio de 2016. Este blogueiro não esteve entre esse bando de crédulos, por óbvio. Pouco importou o que disse este ou aquele senador. As cartas estavam marcadas.

    Não aconteceu nada de relevante no Plenário do Senado. Todos sabiam que nada havia a esperar. Nenhuma defesa de Dilma, por mais brilhante que fosse, mudaria o rumo das coisas. Nenhuma acusação que coonestasse o que lá ocorria veio nos salvar da confirmação de que a democracia estava sendo violentada com requintes de crueldade – pela capa torturante de “legalidade” (mal) estendida sobre o processo de impeachment de Dilma Vana Rousseff.

    O impeachment, pode-se dizer, ocorreu sob amplo constrangimento dos seus autores, dos seus executores e da assistência no entorno.

    Leia mais em Gestão Dória será investigada por cárcere privado de servidores


  • A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta.

    O Cafezinho

    Por Bojonas Teixeira Marisa Letícia, submetida ao estresse extremo, sofreu um AVC e morreu. Os médicos são unânimes em que o ambiente de pressão, de perseguição e linchamento foi causa decisiva para essa morte. Mas, mesmo assim, Sérgio Moro não a absolveu. Os advogados pediram a absolvição dela após a morte. Mas ele não aceitou. Apenas decretou a “extinção da punibilidade”. Ou seja, manteve um espinho cravado sobre a alma dela, mesmo depois de morta. Perseguindo-a, com as fúrias da lei, mesmo no outro mundo. Mas e Claudia Cruz? Cláudia, foi absolvida.

    Marisa Letícia nunca teve conta na Suíça, não fez gastos de US$ 526 mil no cartão de crédito, ou seja, mais de meio milhão de dólares, em compras suntuosas nas capitais do luxo. No entanto, apesar de Cláudia, como é conhecida na intimidade, gastar mais de meio milhão de dólares em futilidades, Moro viu nisso só inocência. Só vislumbrou boa fé. No caso de Maria Letícia, ao contrário, aceitou a denúncia ridícula que a acusa de lavagem de dinheiro por um triplex que ela nunca usou. Cláudia Cruz comprou, usou, consumiu, usufruiu, ostentou. Mas é inocente. Já no caso de Marisa, não comprou, não usou, não habitou – Mas havia elementos suficientes para que o juiz aceitasse a acusação.

    Leia mais em A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta


  • Doleiro preso por tráfico ajudaria Aécio na lavagem de propina, suspeita Lava Jato

    GNN Notícias

    Jornal GGN - No documento em que reforça o pedido de prisão contra Aécio Neves ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República Rodrigo Janot revela que além da empresa da família Perrela, um doleiro condenado por tráfico internacional de diamentes é suspeito de ajudar o senador mineiro na lavagem da propina que ele teria recebido da JBS.

    Nas investigações sobre o caso, a Polícia Federal flagrou o assessor parlamentar de Zezé Perrela, Mendherson Souza Lima, conversando de maneira cifrada com o doleiro Gaby Amine Toufic Madi, condenado a 7 anos de prisão em 2016.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 792 outros seguidores

  • Recomendo leitura

Balaio do BXD

Rápidas

Qual o motivo da omissão ao nome da Dilma? O tucano já não é conhecido por todos?

– Por que a Folha de São Paulo esconde o nome Dilma Rousseff na chamada de capa do seu panfleto? É preciso expor mais o nome daquele que vem sendo preparado ao longo da vida para ser presidente?

Nota: Este texto foi publicado às 10:10 horas. No início da tarde a Folha corrigiu a falha e colocou o nome da candidata na chamada da matéria (confira a segunda foto).

Num outro artigo a Folha diz que o ex-governador de Minas

Algum tempo depois a Folha corrige o erro. Intencional?

Gerais e candidato ao Senado Aécio Neves (PSDB) vai abrir espaço em seu horário na TV para o candidato tucano à Presidência. Resta saber qual vai ser o impacto disso por lá.

Diz a reportagem que mais de 7 milhões de eleitores desconhecem o candidato de Aécio para a Presidência da República e revela que, “em conversa por telefone com o presidente do PSDB, Sérgio Guerra, Aécio afirmou que irá incluir Serra em seu programa”.

A suspeita revelação

“A Folha assistiu a todos os programas de Aécio desde o dia 1º de setembro. A imagem de Serra, que tem participado de caminhadas com Aécio no interior de Minas, nunca é exibida. No entanto, cenas com Antonio Anastasia, candidato do PSDB ao governo, aparecem repetidas vezes, sempre em eventos de rua”. Não lhe parece, caro leitor, que foi a Folha quem deu um ultimato ao candidato Aécio Neves? Isso não sugere uma relação umbilical dessa empresa com o ninho tucano? Suspeito. Muito suspeito.

Dora Kramer escreve em sua coluna no Estadão sobre a participação no programa de Dilma Roussef. Me chama a atenção que estes porcalistas do PIG, sempre que dizem ter informações, nunca citam suas fontes. Cá pra nós, mas isso é invencionice deles ou eles diriam que são suas fontes. Ela disse: “A segunda hipótese parece a mais provável como medida preventiva à primeira. Tendo sido isso mesmo – aqui e ali aparecem notícias de assessores do presidente dizendo que ele decidiu “dar um tranco” na oposição -, a participação de Lula no horário eleitoral para defender sua cidadela não atingiu o objetivo como em outras vezes”. Uma pergunta: quando foi que saiu notícia de alguém dizendo que LULA ia “dar um tranco” na oposição?
Carta Maior destaca em seu editorial:

“UM MILHÃO DE POBRES A MENOS

Na maior crise do capitalismo mundial desde 1929, um milhão de brasileiros deixou a pobreza no ano passado, conforme os dados da PNAD-2009, processados pelo economista Marcelo Neri, da FGV. No fechamento da era FHC, em janeiro de 2003, o Brasil tinhsa 49 milhões de pobres; total reduzido para 28,8 milhões agora. Ainda é muito, mas a trajetória de inclusão ganhou inegável velocidade: se considerarmos pobres aqueles que ganham até 1/2 salário mínimo por mes, o percentual da pobreza na população recuou de 44,9% no final do ciclo tucano para 29,7% agora. A renda média dos domicílios –soma de salários, benefícios sociais, aposentadorias,etc– cresceu 3,6% ao ano desde 2004. No ciclo tucano, de 1998 a 2003, que também enfrentou crises internacionais, porém amenas perto da explosão gerada pelo fim da bolha das subprimes nos EUA, a renda média dos domicílios brasileiros caiu 4% ao ano. Ou seja, não houve anteparo social contra as intempéries brutais da meteorologia capitalista. Os mercados cuidavam do assunto…”
Os blogues destacam o comício que Lula participou ontem em São Paulo por Mercadante, Marta e Netinho. O Tijolaço enfatiza quando o presidente disse “Quando eu entrei, em 2003, eles queriam vender a Petrobras, o Banco do Brasil e a Caixa.
O presidente fez um apelo por mudanças: “São Paulo não pode ficar na mão de tucano a vida inteira. O Século 21 merece coisa melhor, merece mais arrojo, por isso a gente não tem que vacilar”.
A Batalha de São Paulo já tem o seu general”.

O Onipresente volta com o vídeo do tucano cantando uma música evangélica e comenta sobre o tracking que aponta oscilação negativa da candidata petista Dilma Rousseff que aparece com 53%. Os tucanos Serra e Marina ficaram estacionados com 21 e 9 pontos percentuais respectivamente.

Os Amigos do Presidente Lula destaca ser mentira o discurso do tucano sobre o bilhete único em São Paulo. Diz PH que a iniciativa foi no governo de Marta Suplicy quando prefeita de São Paulo e não dele como aparece em propagando de TV.

O Conversa Afiada de Paulo Henrique Amorim traz uma entrevista exclusiva com o jornalista Elmar Bones da Costa que denunciou o que chamou de “maior fraude da história gaúcha”. Germano Rigoto briga e tenta calar o jornal o jornalista. Amorim destaca: “O irmão de Germano Rigotto, candidato a senador pelo PMDB, é a peça central da fraude que lesou o povo gaúcho em quase 800 milhões”.

Luiz Carlos Azenha em Vi o Mundo faz uma análise do conceito jornalístico do Jornal Nacional que começa com “A polícia paulista mostra serviço apurando a quebra de sigilo fiscal, que é o centro da cobertura “política” da Globo. Em seguida, os candidatos são usados como meros coadjuvantes para fazer jogo-de-cena no roteiro de Ali Kamel”, omitindo informações que destacam o Brasil nos dias atuais. “Ontem foi um dia especialmente farto em números da economia: as vendas de cimento cresceram 14,6% de janeiro a agosto; as vendas de material de construção devem crescer 11% em 2010; “Um milhão de brasileiros deixam a pobreza mesmo com a crise”, diz a FGV; Caixa Econômica Federal vai emprestar 70 bilhões em 2010 para a habitação, diz o G1. E por aí vai”. Ele conclui perguntando “qual é mesmo a proposta do Serra?”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: