• Chegou a hora da verdade, golpistas

    No Blog da Cidadania

    Imagino que poucos tenham sido os que perderam tempo de sono assistindo à encenação barata levada a cabo no Senado da República na madrugada desta quinta-feira, 12 de maio de 2016. Este blogueiro não esteve entre esse bando de crédulos, por óbvio. Pouco importou o que disse este ou aquele senador. As cartas estavam marcadas.

    Não aconteceu nada de relevante no Plenário do Senado. Todos sabiam que nada havia a esperar. Nenhuma defesa de Dilma, por mais brilhante que fosse, mudaria o rumo das coisas. Nenhuma acusação que coonestasse o que lá ocorria veio nos salvar da confirmação de que a democracia estava sendo violentada com requintes de crueldade – pela capa torturante de “legalidade” (mal) estendida sobre o processo de impeachment de Dilma Vana Rousseff.

    O impeachment, pode-se dizer, ocorreu sob amplo constrangimento dos seus autores, dos seus executores e da assistência no entorno.

    Leia mais em Gestão Dória será investigada por cárcere privado de servidores


  • A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta.

    O Cafezinho

    Por Bojonas Teixeira Marisa Letícia, submetida ao estresse extremo, sofreu um AVC e morreu. Os médicos são unânimes em que o ambiente de pressão, de perseguição e linchamento foi causa decisiva para essa morte. Mas, mesmo assim, Sérgio Moro não a absolveu. Os advogados pediram a absolvição dela após a morte. Mas ele não aceitou. Apenas decretou a “extinção da punibilidade”. Ou seja, manteve um espinho cravado sobre a alma dela, mesmo depois de morta. Perseguindo-a, com as fúrias da lei, mesmo no outro mundo. Mas e Claudia Cruz? Cláudia, foi absolvida.

    Marisa Letícia nunca teve conta na Suíça, não fez gastos de US$ 526 mil no cartão de crédito, ou seja, mais de meio milhão de dólares, em compras suntuosas nas capitais do luxo. No entanto, apesar de Cláudia, como é conhecida na intimidade, gastar mais de meio milhão de dólares em futilidades, Moro viu nisso só inocência. Só vislumbrou boa fé. No caso de Maria Letícia, ao contrário, aceitou a denúncia ridícula que a acusa de lavagem de dinheiro por um triplex que ela nunca usou. Cláudia Cruz comprou, usou, consumiu, usufruiu, ostentou. Mas é inocente. Já no caso de Marisa, não comprou, não usou, não habitou – Mas havia elementos suficientes para que o juiz aceitasse a acusação.

    Leia mais em A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta


  • Doleiro preso por tráfico ajudaria Aécio na lavagem de propina, suspeita Lava Jato

    GNN Notícias

    Jornal GGN - No documento em que reforça o pedido de prisão contra Aécio Neves ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República Rodrigo Janot revela que além da empresa da família Perrela, um doleiro condenado por tráfico internacional de diamentes é suspeito de ajudar o senador mineiro na lavagem da propina que ele teria recebido da JBS.

    Nas investigações sobre o caso, a Polícia Federal flagrou o assessor parlamentar de Zezé Perrela, Mendherson Souza Lima, conversando de maneira cifrada com o doleiro Gaby Amine Toufic Madi, condenado a 7 anos de prisão em 2016.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 792 outros seguidores

  • Recomendo leitura

A tática da Marina

Marina Silva. Escrevendo a parte mais suja de sua biografia.

Quem é Marina?

Marina foi Ministra do Meio Ambiente do governo Lula por 5 anos e 4 meses. Ah! Você já sabia? Desculpe-me, caro leitor. É que às vezes a vejo em campanha e chego a acreditar que ela nunca participou do governo Lula. Foi assim ontem no debate da RedeTV! quando questionou Dilma Rousseff sobre os problemas que a Receita Federal teve numa de suas agências em Mauá, na grande São Paulo.

Marina (lendo seu caderninho) – “Nós passamos 16 anos. 8 do governo do presidente Fernando Henrique, 8 do governo do presidente Lula e as manchetes dos jornais não tiram os problemas de corrupção o tempo todo; sendo denunciados pela imprensa; as investigações da Polícia Federal; o Ministério Público. Na sua opinião por que esse atraso ético ainda permanece?

Vamos analisar a pergunta.

1) Por que o caderninho? Quem lhe passou a pergunta foram os donos dos jornais? Foi o Civita, da Veja?

2) Dos 8 anos do governo Lula, Marina participou de 5 anos e 4 meses. Mais da metade cara. E ela concordava com toda a suposta corrupção que acontecia no governo? Sim. Se ela participava de um governo e não se manifestava publicamente, e como supõe sua pergunta, sempre teve corrupção, então ela foi omissa e pactuava do processo de corrupção existente. A pergunta é: por que só agora as denúncias de sua parte surgem? Está como o tucano que só percebeu a gravidade da situação agora que é candidata?

3) E sua participação no governo por longos 64 meses não lhe permitiu ver o que o governo estava fazendo para acabar ou diminuir o “atraso ético”? E por que se pautar nas denúncias dos jornais, os mesmos que declaradamente optaram pela candidatura do tucano num fórum de objetivos no mínimo questionáveis como foi o tal do fórum do Millenium? A candidata não percebeu ainda qual a ética dos jornais que sempre acusaram o governo Lula de pactuar-se com a corrupção mesmo sabedora de que o governo foi aquele que garantiu ao Ministério Público independência absoluta nas investigações; o que garantiu à Polícia Federal agir com independência a ponto de prender Prefeitos (recentemente o de Dourados/GO) e Governadores (recentemente o do Distrito Federal e o do Pará)? O tempo que ficou no governo não lhe permitiu um juízo de valor próprio a ponto de ter que recorrer a notícias dos jornais para atacar o governo e a candidatura Dilma Rousseff?

4) Será que a candidata tem ciência do papel da Polícia Federal e do Ministério Público? Mais ainda: a candidata tem noção do papel de um Presidente/a diante de questões tão relevantes como combate a corrupção?

Quando a candidata se reporta aos jornais para atacar o governo e, em consequência, a candidatura Dilma Rousseff, passa a fazer um papel que lhe corrompe a história. Tudo bem que Marina precisa de mídia, mas a tática a ser usada é essa mesmo? Vale a pena se deixar ser usada por grupos que provocam medo e terror na sociedade em nome de seus projetos pessoais? Por seu papelão ontem durante o debate, Marina vai ganhar alguns minutos de aparição no Jornal Nacional, para a alegria do Bonner e do Ali Kamel; espaços importantes nos jornais aos quais se pautou para atacar o governo e a candidatura petista.

Seu comportamento é inapropriado para quem teve uma história construída no partido do presidente Lula e em grande parte no governo do presidente Lula. Ela sabe o quanto o governo tem feito para atacar a corrupção e sabe mais ainda que Dilma nada tem que ver com o caso da Receita Federal, vazamento de informações e sabe, também, que o que a revista Veja publicou é uma mentira que nem pernas tinha. Morreu no seu nascedouro.

Marina se prestou a fazer um serviço sujo para os “barões das mídias”. Estes já estão com seus dias contados e Marina, pelo visto, setenciou seu destino: cair nos braços da direita golpista e fascista; esquecer a sua história e, quem sabe?, voltar para o anonimato de onde lhe tirou o PT.

Tudo por um leitor

Não sei se já sabem que as Organizações Globo tem perdido leitores e audiência, mas não custa nada dizer de novo se já souberem. Acontece que a Rede Globo de televisão tem perdido audiência e em alguns programas já perde para a Record. No domingo é páreo duro Globo e Record. Isso tem muito que ver com publicidade, maior fonte de renda das emissoras.

Para se ter uma ideia, no governo Fernando Henrique Cardoso, só a Globo abocanhava 90% de tudo o que o governo federal gastava com publicidade (talvez aqui se explique a opção da vênus prateada pela candidatura tucana), mas no governo Lula essa verba caiu para 48%. Mas isso não aconteceu apenas porque Lula decidiu que seria assim. Vejam o que disse Paulo Henrique Amorim a respeito no Conversa Afiada:

Quando Lula assumiu, a Globo, com 50% da audiência, engolia 90% da verba publicitária oficial. Ou seja, o Farol de Alexandria (Fernando Henrique Cardoso) subsidiava a Globo: a Globo levava 90% e entregava 50%. Pode?

Isso já mudou e vai mudar mais. Hoje, com 44% da audiência, a Globo leva 48% da verba oficial. Qualquer redução do market share e a Globo não aguenta manter a programação que tem hoje no ar. Não aguenta comprar filmes. Fazer novelas tão caras. Comprar o Brasileirão e a Copa do Mundo. Fazer o aero-jornalismo para espinafrar o Brasil. A grana não alcança. E a Globo perdeu a capacidade de dialogar com os governos trabalhistas (Amorim: Conversa Afiada, 2010)

Então é assim: quanto maior a audiência, mais cara a inserção publicitária e mais procurada. Mas a Globo já não é mais a mesma. Dia a dia a emissora perde credibilidade por reproduzir escândalos publicados em outras mídias sem que para isso se faça a mínima investigação, ouvindo as partes envolvidas. Em muitos casos, por opção política.

Quanto ao material impresso, nO Globo, por exemplo, a relação é a mesma. E o jornal O Globo também tem se prestado ao papel de panfleto tucano nas eleições presidenciais. Mas essa relação promíscua com o poder não é de hoje. Leonel Brizola foi um guerreiro que denunciava as mazelas praticadas pelas Organizações Globo e sempre disse que o objetivo deles era golpes, manipulações e fraudes. Qualquer coisa para não se distanciar do poder.

Mas o próprio Globo online mostra que seu destino é o limbo. O jornaleiro (Chico) do meu bairro diz sempre que vou lá: “não trago O Globo. Ninguém compra!” É uma setença que vai se alastrando no Estado. O Globo está minguando e assim vai até acabar. Diz a manchete:

Receita de jornais com anúncios caiu 17% em 2009 (O Globo online)

Neste fim de semana recebi um email da Universidade onde devo concluir minha graduação no final do ano. A universidade tem uma relação umbilical com os tucanos, já que um de seus acionistas é Secretário de Educação da Prefeitura de São Paulo e já foi Ministro da Educação no governo Fernando Henrique. Quando foi ministro, enquanto as Universidades Federais eram jogadas aos ratos, a Universidade onde é acionista tornou-se uma das maiores do país. Será que tem alguma coisa que ver entre Universidades Privadas e Federais sob a tutela tucana?

Bom, voltemos ao email. Nesta mensagem a Universidade faz um apelo, quase implorando “pelo amor de Deus” para que façamos assinatura do lixo O Globo e da Revista Época pela metade do preço. Tudo por um leitor! Mas agora é tarde. Aprendemos a não acreditar no que escrevem por lá.

Depois de jogar no lixo a credibilidade que lhes davam os leitores, agora buscam desesperadamente recuperar assinantes: quase imploram pela metade do preço.

.

.

.

.

.

.

Clique na imagem para melhor visualização.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: