• Chegou a hora da verdade, golpistas

    No Blog da Cidadania

    Imagino que poucos tenham sido os que perderam tempo de sono assistindo à encenação barata levada a cabo no Senado da República na madrugada desta quinta-feira, 12 de maio de 2016. Este blogueiro não esteve entre esse bando de crédulos, por óbvio. Pouco importou o que disse este ou aquele senador. As cartas estavam marcadas.

    Não aconteceu nada de relevante no Plenário do Senado. Todos sabiam que nada havia a esperar. Nenhuma defesa de Dilma, por mais brilhante que fosse, mudaria o rumo das coisas. Nenhuma acusação que coonestasse o que lá ocorria veio nos salvar da confirmação de que a democracia estava sendo violentada com requintes de crueldade – pela capa torturante de “legalidade” (mal) estendida sobre o processo de impeachment de Dilma Vana Rousseff.

    O impeachment, pode-se dizer, ocorreu sob amplo constrangimento dos seus autores, dos seus executores e da assistência no entorno.

    Leia mais em Gestão Dória será investigada por cárcere privado de servidores


  • A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta.

    O Cafezinho

    Por Bojonas Teixeira Marisa Letícia, submetida ao estresse extremo, sofreu um AVC e morreu. Os médicos são unânimes em que o ambiente de pressão, de perseguição e linchamento foi causa decisiva para essa morte. Mas, mesmo assim, Sérgio Moro não a absolveu. Os advogados pediram a absolvição dela após a morte. Mas ele não aceitou. Apenas decretou a “extinção da punibilidade”. Ou seja, manteve um espinho cravado sobre a alma dela, mesmo depois de morta. Perseguindo-a, com as fúrias da lei, mesmo no outro mundo. Mas e Claudia Cruz? Cláudia, foi absolvida.

    Marisa Letícia nunca teve conta na Suíça, não fez gastos de US$ 526 mil no cartão de crédito, ou seja, mais de meio milhão de dólares, em compras suntuosas nas capitais do luxo. No entanto, apesar de Cláudia, como é conhecida na intimidade, gastar mais de meio milhão de dólares em futilidades, Moro viu nisso só inocência. Só vislumbrou boa fé. No caso de Maria Letícia, ao contrário, aceitou a denúncia ridícula que a acusa de lavagem de dinheiro por um triplex que ela nunca usou. Cláudia Cruz comprou, usou, consumiu, usufruiu, ostentou. Mas é inocente. Já no caso de Marisa, não comprou, não usou, não habitou – Mas havia elementos suficientes para que o juiz aceitasse a acusação.

    Leia mais em A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta


  • Doleiro preso por tráfico ajudaria Aécio na lavagem de propina, suspeita Lava Jato

    GNN Notícias

    Jornal GGN - No documento em que reforça o pedido de prisão contra Aécio Neves ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República Rodrigo Janot revela que além da empresa da família Perrela, um doleiro condenado por tráfico internacional de diamentes é suspeito de ajudar o senador mineiro na lavagem da propina que ele teria recebido da JBS.

    Nas investigações sobre o caso, a Polícia Federal flagrou o assessor parlamentar de Zezé Perrela, Mendherson Souza Lima, conversando de maneira cifrada com o doleiro Gaby Amine Toufic Madi, condenado a 7 anos de prisão em 2016.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 792 outros seguidores

  • Recomendo leitura

A parteira ajudadeira


Tchutchuca: quando recolhida por minha filha de 8 anos, tinha mais sarna que cadela. Foi tratada por uma menina alfabetizando.

 

Eu nasci na velha casa onde morava.

Minha mãe contou-me haver naquele lugar um rico fazendeiro cético quanto às tradições populares.

Ela, ao parir-me, não se fez de rogada e aceitou a ajuda da parteira, uma senhora muito pobre e ajudadora das famílias sem posse. Como pode haver alguém sem posses ajudar outros igualmente pobres?

Ela estava lá quando minha mãe precisou.

Minha falecida mãe afirmou, às lágrimas, ter eu nascido com menos de trinta centímetros de comprimento, capaz de caber, por inteiro, numa pequena caixa de sapatos.

O fazendeiro reagia negativamente quando lhe indicavam a cultura popular. Na medicina então, nem pensar.

Como era no interior das Minas Gerais, quando necessário, solicitava, e pagava, para um médico se deslocar da capital Belo Horizonte até à cidade. Aconteceu, porém, sua mulher, estando grávida por parir, começou a sentir as contrações num domingo dia 3 de maio.

Percebe-se, portanto, ter sido a sexta-feira, dia 1 de maio, feriado nacional. Percebendo o sofrimento da mulher, desesperou-se e pediu ao filho para ir à prefeitura local e solicitar a presença do médico.

Sua mãe, uma velha senhora, socorrendo a nora em seu leito, percebeu haver algo errado e recomendou ao filho solicitar o socorro da parteira – a mesma santa senhora ajudadora das famílias pobres a quem devo gratidão por ter ajudado minha mãe.

O rico fazendeiro esbravejou-se.

– Como assim pedir ajuda àquela infeliz, suja, tal como porcos?

– Filho, disse-lhe sua mãe, é bom ter a ajuda de alguém com experiência nessa hora.

– Deus me livre! Aquela feiticeira não vai tocar no meu filho. Vamos esperar pelo médico!

E assim esperaram até o filho retornar da prefeitura com uma negativa.

Antes de chegar ao prédio da administração municipal o menino foi obrigado a ir à casa do prefeito, de lá foram juntos à prefeitura e ligaram para a capital. Qual foi a surpresa? O médico não estava em casa. Tinha viajado com a família para o Rio de Janeiro.

O menino volta para casa atordoado sentido a fúria do pai com a ausência do médico. Ao tomar ciência da ausência do médico o fazendeiro entra em desespero:

– E agora, Deus do Céu?!

– Vamos fazer nós mesmos então, disse-lhe a mãe saindo em socorro da nora.

Ao cuidar de ver como seria feito o parto, a senhora mãe do fazendeiro percebeu o menino virado no ventre da mãe, impedido, portanto, de sair naturalmente. Ela chama o filho e lhe mostra a situação.

– Filho. A situação é esta e não podemos resolver nós mesmos. Vamos chamar a parteira!…

Desta vez o fazendeiro nada disse, enquanto sua mãe determinava que o neto, já menino, fosse em socorro da velha ajudadeira.

Quando a parteira chegou à fazenda, ferveu água, preparou tesoura e panos limpos. Lavou as mãos enxaguando-as com álcool, preparando-se para uma operação milagrosa: o milagre da vida.

Esta velha senhora ajudava em muitos partos, incluindo os mais complicados. Nunca passou pela escola. Era completamente analfabeta, quiçá tinha um diploma autorizando-a a fazer partos.

A velha senhora cuidadosamente introduz a mão na vagina da mãe sofredora, com movimentos suaves, entre gritos de dor e olhar incrédulo do fazendeiro, vira o rebento dando-lhe a conhecer este mundo impregnado de preconceitos e corporativismos, onde um diploma serve de passaporte para a empregabilidade.

A história é verossímil.

Este texto foi escrito em 15 minutos com a autodeterminação de não utilizar a palavra “que”, um exercício prático para responder ao post original publicado no Observatório da Imprensa em abril de 2010.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: