• Chegou a hora da verdade, golpistas

    No Blog da Cidadania

    Imagino que poucos tenham sido os que perderam tempo de sono assistindo à encenação barata levada a cabo no Senado da República na madrugada desta quinta-feira, 12 de maio de 2016. Este blogueiro não esteve entre esse bando de crédulos, por óbvio. Pouco importou o que disse este ou aquele senador. As cartas estavam marcadas.

    Não aconteceu nada de relevante no Plenário do Senado. Todos sabiam que nada havia a esperar. Nenhuma defesa de Dilma, por mais brilhante que fosse, mudaria o rumo das coisas. Nenhuma acusação que coonestasse o que lá ocorria veio nos salvar da confirmação de que a democracia estava sendo violentada com requintes de crueldade – pela capa torturante de “legalidade” (mal) estendida sobre o processo de impeachment de Dilma Vana Rousseff.

    O impeachment, pode-se dizer, ocorreu sob amplo constrangimento dos seus autores, dos seus executores e da assistência no entorno.

    Leia mais em Gestão Dória será investigada por cárcere privado de servidores


  • A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta.

    O Cafezinho

    Por Bojonas Teixeira Marisa Letícia, submetida ao estresse extremo, sofreu um AVC e morreu. Os médicos são unânimes em que o ambiente de pressão, de perseguição e linchamento foi causa decisiva para essa morte. Mas, mesmo assim, Sérgio Moro não a absolveu. Os advogados pediram a absolvição dela após a morte. Mas ele não aceitou. Apenas decretou a “extinção da punibilidade”. Ou seja, manteve um espinho cravado sobre a alma dela, mesmo depois de morta. Perseguindo-a, com as fúrias da lei, mesmo no outro mundo. Mas e Claudia Cruz? Cláudia, foi absolvida.

    Marisa Letícia nunca teve conta na Suíça, não fez gastos de US$ 526 mil no cartão de crédito, ou seja, mais de meio milhão de dólares, em compras suntuosas nas capitais do luxo. No entanto, apesar de Cláudia, como é conhecida na intimidade, gastar mais de meio milhão de dólares em futilidades, Moro viu nisso só inocência. Só vislumbrou boa fé. No caso de Maria Letícia, ao contrário, aceitou a denúncia ridícula que a acusa de lavagem de dinheiro por um triplex que ela nunca usou. Cláudia Cruz comprou, usou, consumiu, usufruiu, ostentou. Mas é inocente. Já no caso de Marisa, não comprou, não usou, não habitou – Mas havia elementos suficientes para que o juiz aceitasse a acusação.

    Leia mais em A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta


  • Doleiro preso por tráfico ajudaria Aécio na lavagem de propina, suspeita Lava Jato

    GNN Notícias

    Jornal GGN - No documento em que reforça o pedido de prisão contra Aécio Neves ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República Rodrigo Janot revela que além da empresa da família Perrela, um doleiro condenado por tráfico internacional de diamentes é suspeito de ajudar o senador mineiro na lavagem da propina que ele teria recebido da JBS.

    Nas investigações sobre o caso, a Polícia Federal flagrou o assessor parlamentar de Zezé Perrela, Mendherson Souza Lima, conversando de maneira cifrada com o doleiro Gaby Amine Toufic Madi, condenado a 7 anos de prisão em 2016.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 792 outros seguidores

  • Recomendo leitura

Parece piada, mas Millenium ataca de Tas e tio Rei

Ta  acontecendo e eu acompanhei as primeiras publicações do Seminário Liberdade em Debate, Democracia e Liberdade de Expressão, promovido pelo Instituto Millenium, aquele mesmo que levou Jabor a propor uma democracia pra varrer o presidente Lula e seus simpatizantes da face da terra.

Já vimos  que liberdade de expressão só serve se for liberdade para eles, mas quando se trata do outro, a liberdade será restrita ainda que nos tribunais, como no caso recente da cidadã que teve que tirar do ar o site e todos as demais páginas de relacionamento [Orkut, Facebook etc] do Meu Carro Falha sob pena de pagar multa diária de R$ 100 por dia, caso os mantivesse no ar.

Paulo Uebel, diretor do Instituto Millenium

O primeiro a falar foi o diretor do Instituto Millenium, Paulo Uebel (foto),  que defendeu a liberdade, como se ela não existisse e eles estivessem impedidos de falar mal do presidente Lula, e a melhoria da educação como forma de reforçar a democracia no Brasil. Sobre melhoria na educação a gente já percebeu que isso significa que o Estado deixe a educação para a iniciativa particular, já que outros indivíduos deste instituto e do PIG acham que o Estado não deve contratar professores porque “incha a folha” e compromete as finanças públicas. O Globo publicou: “Segundo ele, debates que podem ser incômodos para alguns precisam ser feitos para garantir a liberdade“. Mas quem o diz! Logo eles que não querem debate sobre regulamentação do setor e não participam das Conferências nacionais. Fala Sério!

O diretor ressaltou ainda que um dos objetivos do debate promovido pelo instituto nesta quarta-feira é analisar as diversas restrições que começam a surgir no Brasil. Segundo ele, hoje há restrições não apenas na publicidade, mas também em outros níveis de governo, como nas agências reguladoras (O Globo)

Êpa! Será que ele falava da proibição das páginas de internet do Meu Carro Falha? Duvido. Penso que ele começa a falar em restrições por conta de um debate que emerge em defesa de uma regulamentação das comunicações no Brasil. Agora eles mesmos já disseram que a publicidade do governo foi distribuída para mais de 800 organizações de Comunicação Social, reclamando por que antes a verba destinada para este fim ficava concentrada nas Organizações Globo e já não mais o é. Isso significa dizer que o governo do presidente Lula fortaleceu as pequenas organizações espalhadas pelo país. Isso é o que? Restrição a liberdade de expressão?

O Globo nos diz que entre os convidados, “estão o cientista político Alexandre Barros e os jornalistas Marcelo Tas e Reinaldo Azevedo e Ricardo Gandour, entre outros. O economista e articulista do GLOBO, Rodrigo Constantino, participará do painel de encerramento, cujo tema é ´Politicamente Correto e Liberdade de Expressão´. A mediação será feita pela jornalista Mônica Waldvogel” (idem).

Não preciso dizer que isso é palco para xingamentos ao presidente Lula preciso? Tas substitui o Jabor e aquele vai fazer o mesmo papel que este. A turma das organizações Globo está lá pra isso e escolheram a ancora perfeita. Reuniram num mesmo lugar quem odeia o presidente Lula para falar mal do presidente Lula, porque da Dilma deve sobrar um elogiozinho qualquer. Eles ainda tentam conquistar o poste pra ver se aumenta a verba de publicidade ou as organizações Globo vai ter que pedir concordadata, aquela mesma que o Palocci socorreu quando tinha poder pra isso.

Vamos ter muito o que debater nesta semana. Ah, vamos!…

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: