• Chegou a hora da verdade, golpistas

    No Blog da Cidadania

    Imagino que poucos tenham sido os que perderam tempo de sono assistindo à encenação barata levada a cabo no Senado da República na madrugada desta quinta-feira, 12 de maio de 2016. Este blogueiro não esteve entre esse bando de crédulos, por óbvio. Pouco importou o que disse este ou aquele senador. As cartas estavam marcadas.

    Não aconteceu nada de relevante no Plenário do Senado. Todos sabiam que nada havia a esperar. Nenhuma defesa de Dilma, por mais brilhante que fosse, mudaria o rumo das coisas. Nenhuma acusação que coonestasse o que lá ocorria veio nos salvar da confirmação de que a democracia estava sendo violentada com requintes de crueldade – pela capa torturante de “legalidade” (mal) estendida sobre o processo de impeachment de Dilma Vana Rousseff.

    O impeachment, pode-se dizer, ocorreu sob amplo constrangimento dos seus autores, dos seus executores e da assistência no entorno.

    Leia mais em Gestão Dória será investigada por cárcere privado de servidores


  • A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta.

    O Cafezinho

    Por Bojonas Teixeira Marisa Letícia, submetida ao estresse extremo, sofreu um AVC e morreu. Os médicos são unânimes em que o ambiente de pressão, de perseguição e linchamento foi causa decisiva para essa morte. Mas, mesmo assim, Sérgio Moro não a absolveu. Os advogados pediram a absolvição dela após a morte. Mas ele não aceitou. Apenas decretou a “extinção da punibilidade”. Ou seja, manteve um espinho cravado sobre a alma dela, mesmo depois de morta. Perseguindo-a, com as fúrias da lei, mesmo no outro mundo. Mas e Claudia Cruz? Cláudia, foi absolvida.

    Marisa Letícia nunca teve conta na Suíça, não fez gastos de US$ 526 mil no cartão de crédito, ou seja, mais de meio milhão de dólares, em compras suntuosas nas capitais do luxo. No entanto, apesar de Cláudia, como é conhecida na intimidade, gastar mais de meio milhão de dólares em futilidades, Moro viu nisso só inocência. Só vislumbrou boa fé. No caso de Maria Letícia, ao contrário, aceitou a denúncia ridícula que a acusa de lavagem de dinheiro por um triplex que ela nunca usou. Cláudia Cruz comprou, usou, consumiu, usufruiu, ostentou. Mas é inocente. Já no caso de Marisa, não comprou, não usou, não habitou – Mas havia elementos suficientes para que o juiz aceitasse a acusação.

    Leia mais em A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta


  • Doleiro preso por tráfico ajudaria Aécio na lavagem de propina, suspeita Lava Jato

    GNN Notícias

    Jornal GGN - No documento em que reforça o pedido de prisão contra Aécio Neves ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República Rodrigo Janot revela que além da empresa da família Perrela, um doleiro condenado por tráfico internacional de diamentes é suspeito de ajudar o senador mineiro na lavagem da propina que ele teria recebido da JBS.

    Nas investigações sobre o caso, a Polícia Federal flagrou o assessor parlamentar de Zezé Perrela, Mendherson Souza Lima, conversando de maneira cifrada com o doleiro Gaby Amine Toufic Madi, condenado a 7 anos de prisão em 2016.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 792 outros seguidores

  • Recomendo leitura

Negueba, promessa ou fraude?

Como técnico de futebol, eu e outros 190 milhões de brasileiros gostamos de dar pitacos no trabalho dos profissionais do futebol. Há algum tempo reclamo do Deivid, atacante do Flamengo, titular por ser genro do técnico Vanderley Luxemburgo. Esta minha ilação está completamente equivocada e me dei conta disso ontem. Minha opinião sobre ele continua a mesma. Como profissional que ganha em apenas um mês o que ganho tendo que trabalhar por 3 anos, ou quase isso,  que não faz outra coisa senão treinar e jogar, não sabe se colocar em campo; é péssimo nas conclusões e erra passes primários, de poucos metros apenas. Então, por que cheguei a conclusão de que minha ilação está equivocada? Simples. Não tem atacante melhor no banco.

Jael é um esforço e só. Longe de ser um bom atacante, não é o cara para assumir a camisa 9 do time de maior torcida no Brasil. Outros dois atacantes também não correspondem às esperanças rubro-negras: Diego Maurício, o drogbinha, e Negueba, apesar de serem visto como promessas, se analisados à luz da razão, não correspondem em campo.

Alguns poderão perguntar: por que razão você diz isso? Com base em quê? Qual a fundamentação para a crítica aos atacantes do Flamengo?

Eu não tive a oportunidade de anotar as participações do Diego Maurício, mas ontem, diante do Ceará, em jogo disputado no Presidente Vargas (CE), anotei as participações do menino Negueba, tido como a maior promessa do Flamengo. Depois que entrou em campo, sua primeira participação foi aos 32 minutos quando o time já vencia por 1×0, com gol do Deivid no finalzinho do primeiro tempo. Do lado direito do campo, penteou a bola e tentou dar um chapéu no marcador. Não conseguiu e por não se dar por vencido fez falta. Aos 37, também pela direita, pegou a bola e fez um cruzamento horrível, mesmo tendo a oportunidade de parar, ajeitar a bola, pensar no que fazer e cruzar, cruzou de maneira displicente e para a linha de fundo.

Um minuto e 40 segundos depois recebeu uma bola pelo lado direito e saiu com bola e tudo. Inacreditável para um profissional do futebol que só faz isso o tempo todo. Aos 40’16” pegou um rebote do Diego Maurício e perdeu a bola. 9 segundo depois recebe a bola que tinha sido rebatida pelo zagueiro cearense e erra o cruzamento.

Aos 41’45” recebeu a bola no peito mas perdeu no corpo-a-corpo com o adversário. Um minuto e meio depois recebe um passe e tenta proteger a bola, mas perde e obriga Felipe fazer uma defesa difícil. Numa jogada pela esquerda do Diego Maurício a bola sobrou e Negueba chutou em cima do zagueiro para ganhar um escanteio. Foi a única coisa certa feita neste jogo. Na cobrança do escanteio feito por Renato Abreu, o menino promessa tenta prender a bola e perde retendo-a por apenas 8 segundos. Aos 47’18” disputa uma bola dividida e perde. Agora prestem atenção: aos 47’55” Maldonado, meio campista, pega uma bola na frente da grande área e chuta perigosamente contra o gol de Fernando Henrique.

E então? Negueba, afinal, é uma promessa ou uma fraude?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: