• Chegou a hora da verdade, golpistas

    No Blog da Cidadania

    Imagino que poucos tenham sido os que perderam tempo de sono assistindo à encenação barata levada a cabo no Senado da República na madrugada desta quinta-feira, 12 de maio de 2016. Este blogueiro não esteve entre esse bando de crédulos, por óbvio. Pouco importou o que disse este ou aquele senador. As cartas estavam marcadas.

    Não aconteceu nada de relevante no Plenário do Senado. Todos sabiam que nada havia a esperar. Nenhuma defesa de Dilma, por mais brilhante que fosse, mudaria o rumo das coisas. Nenhuma acusação que coonestasse o que lá ocorria veio nos salvar da confirmação de que a democracia estava sendo violentada com requintes de crueldade – pela capa torturante de “legalidade” (mal) estendida sobre o processo de impeachment de Dilma Vana Rousseff.

    O impeachment, pode-se dizer, ocorreu sob amplo constrangimento dos seus autores, dos seus executores e da assistência no entorno.

    Leia mais em Gestão Dória será investigada por cárcere privado de servidores


  • A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta.

    O Cafezinho

    Por Bojonas Teixeira Marisa Letícia, submetida ao estresse extremo, sofreu um AVC e morreu. Os médicos são unânimes em que o ambiente de pressão, de perseguição e linchamento foi causa decisiva para essa morte. Mas, mesmo assim, Sérgio Moro não a absolveu. Os advogados pediram a absolvição dela após a morte. Mas ele não aceitou. Apenas decretou a “extinção da punibilidade”. Ou seja, manteve um espinho cravado sobre a alma dela, mesmo depois de morta. Perseguindo-a, com as fúrias da lei, mesmo no outro mundo. Mas e Claudia Cruz? Cláudia, foi absolvida.

    Marisa Letícia nunca teve conta na Suíça, não fez gastos de US$ 526 mil no cartão de crédito, ou seja, mais de meio milhão de dólares, em compras suntuosas nas capitais do luxo. No entanto, apesar de Cláudia, como é conhecida na intimidade, gastar mais de meio milhão de dólares em futilidades, Moro viu nisso só inocência. Só vislumbrou boa fé. No caso de Maria Letícia, ao contrário, aceitou a denúncia ridícula que a acusa de lavagem de dinheiro por um triplex que ela nunca usou. Cláudia Cruz comprou, usou, consumiu, usufruiu, ostentou. Mas é inocente. Já no caso de Marisa, não comprou, não usou, não habitou – Mas havia elementos suficientes para que o juiz aceitasse a acusação.

    Leia mais em A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta


  • Doleiro preso por tráfico ajudaria Aécio na lavagem de propina, suspeita Lava Jato

    GNN Notícias

    Jornal GGN - No documento em que reforça o pedido de prisão contra Aécio Neves ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República Rodrigo Janot revela que além da empresa da família Perrela, um doleiro condenado por tráfico internacional de diamentes é suspeito de ajudar o senador mineiro na lavagem da propina que ele teria recebido da JBS.

    Nas investigações sobre o caso, a Polícia Federal flagrou o assessor parlamentar de Zezé Perrela, Mendherson Souza Lima, conversando de maneira cifrada com o doleiro Gaby Amine Toufic Madi, condenado a 7 anos de prisão em 2016.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 797 outros seguidores

  • Recomendo leitura

Falta de experiência ou amadorismo?

Tenho acompanhado todos os dias os jogos Panamericanos pela TV Record. Aliás, os telejornais eu prefiro os da Record que os da Band ou da Globo por razões ideológicas e se o restante da programação fosse aquelas do meu interesse eu assistiria por lá também, mas tem coisa que só a TV brasileira admite e, se apresentam, é porque tem público pra assistir.

Nos jogos Panamericanos somou-se, para meu deleite, duas coisas: a primeira porque é uma programação que me agrada e segundo porque me afasta definitivamente da Globo.

Minha rejeição pela Venus Prateada se dá por conta do seu jornalismo de esgoto [e, me parece, todos os jornalistas são diplomados], mas tenho revelado que os profissionais da técnica [câmeras e cabos mans, editores de imagem, áudio etc.] são muito competentes e merecem servir de exemplo para as demais emissoras, não os plágios sem graça que a própria Record resolveu fazer com sua programação como o Esporte Fantástico, uma mistura de Esporte Espetacular e Fantástico, ambos da Globo.

 

Mas me interessa mesmo falar das transmissões dos jogos Panamericanos feitos pela TV Record. O que vou escrever importa para os diretores da TV? Provavelmente não, mas vou emitir minha opinião assim mesmo. No futebol levaram Romário pra comentar e a inexperiência concomitante com a procura por palavras para parecer mais culto que verdadeiramente é o faz um ilustre torcedor perdido na análise da partida.

Já reclamei no site do R7 que aquela história de fazer link com a sala de convivência com a Vila, tentando conversar com os atletas que de lá assistem os jogos pela TV, falta dinamismo. Hoje, e depois de assistir ontem/hoje a brilhante vitória das meninas do Vôlei conquistando a medalha de ouro para o Brasil, assistindo o Basquete, ou melhor, o Volei de Praia, fiquei com brutal dúvida se falta dinamismo, experiência ou se é amadorismo mesmo.

Não é que os caras interrompem a transmissão para abrir a imagem da sala de convivência da Vila do Pan?! Pois fazem isso sem a menor cerimônia. O telespectador, como não tem alternativa, que “se dane”, não é mesmo? Porque não usam aquela imagem reduzida em pop-up para fazer isso enquanto o quadro maior é o jogo em si?

Hoje chegamos ao absurdo de não assistir os jogos por inteiro por absoluta falta de critério. Comecei assistindo ao Basquete e, sem mais nem menos, sem ser informado disso, passei a assistir o Volei de Praia. Tudo bem, o Volei de Praia também me interessa, embora preferisse assistir o Basquete feminino. Mas eis que durante a partida a TV abre para os comerciais e quando volta para o segundo set, a partida já estava 5 a 5 no placar entre brasileiros e mexicanos. Deus do Céu!… Porque não combinaram com os patrocinadores para veicular as mensagens durante as partidas em pop-up?

No jogo de Volei feminino ontem, tive que ouvir o Maurício Torres dizer que almoçou com o Romário e com a Vitória, filha do baixinho, e que a menina ficou olhando para o celular dele. E eu com isso? Que comentário sem graça e despropositado sô! A não ser, é claro, que o objetivo do narrador da partida era dizer para os telespectadores Record que ele almoçou com o baixinho e que isso é um privilégio de poucos, mas, mesmo assim, o que é que a Vitória tem que ver com isso?

Tenho certeza que nada do que eu disse aqui será levado em consideração pela Record, afinal, que é esse anônimo que se atreve a comentar sobre as transmissões de uma das maiores emissoras de TV do país, não é? Mas escrevo assim mesmo para incomodá-los de algum modo porque tenho a esperança de não precisar da Globo para assistir os Jogos Olímpicos e a Copa do Mundo.

Mas nem tudo está perdido. Virna comentando o Vôlei e a Magic Paula comentando o Basquete é tudo de bom!

Anúncios

Uma resposta

  1. Felizmente esses despropósitos não temos de assistir na Rede Globo que diga-se de passagem tem melhorado muito nos comentários dos repórteres esportivos que parecem ter aprendido a fazer perguntas. Agora só falta ex jogadores como o Romário aprender a ser apresentador e comentarista de TV e parar de ficar procurando palavras rebuscadas…Fala aí Baixinho como sempre falou e deixou muita gente fula da vida!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: