• Chegou a hora da verdade, golpistas

    No Blog da Cidadania

    Imagino que poucos tenham sido os que perderam tempo de sono assistindo à encenação barata levada a cabo no Senado da República na madrugada desta quinta-feira, 12 de maio de 2016. Este blogueiro não esteve entre esse bando de crédulos, por óbvio. Pouco importou o que disse este ou aquele senador. As cartas estavam marcadas.

    Não aconteceu nada de relevante no Plenário do Senado. Todos sabiam que nada havia a esperar. Nenhuma defesa de Dilma, por mais brilhante que fosse, mudaria o rumo das coisas. Nenhuma acusação que coonestasse o que lá ocorria veio nos salvar da confirmação de que a democracia estava sendo violentada com requintes de crueldade – pela capa torturante de “legalidade” (mal) estendida sobre o processo de impeachment de Dilma Vana Rousseff.

    O impeachment, pode-se dizer, ocorreu sob amplo constrangimento dos seus autores, dos seus executores e da assistência no entorno.

    Leia mais em Gestão Dória será investigada por cárcere privado de servidores


  • A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta.

    O Cafezinho

    Por Bojonas Teixeira Marisa Letícia, submetida ao estresse extremo, sofreu um AVC e morreu. Os médicos são unânimes em que o ambiente de pressão, de perseguição e linchamento foi causa decisiva para essa morte. Mas, mesmo assim, Sérgio Moro não a absolveu. Os advogados pediram a absolvição dela após a morte. Mas ele não aceitou. Apenas decretou a “extinção da punibilidade”. Ou seja, manteve um espinho cravado sobre a alma dela, mesmo depois de morta. Perseguindo-a, com as fúrias da lei, mesmo no outro mundo. Mas e Claudia Cruz? Cláudia, foi absolvida.

    Marisa Letícia nunca teve conta na Suíça, não fez gastos de US$ 526 mil no cartão de crédito, ou seja, mais de meio milhão de dólares, em compras suntuosas nas capitais do luxo. No entanto, apesar de Cláudia, como é conhecida na intimidade, gastar mais de meio milhão de dólares em futilidades, Moro viu nisso só inocência. Só vislumbrou boa fé. No caso de Maria Letícia, ao contrário, aceitou a denúncia ridícula que a acusa de lavagem de dinheiro por um triplex que ela nunca usou. Cláudia Cruz comprou, usou, consumiu, usufruiu, ostentou. Mas é inocente. Já no caso de Marisa, não comprou, não usou, não habitou – Mas havia elementos suficientes para que o juiz aceitasse a acusação.

    Leia mais em A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta


  • Doleiro preso por tráfico ajudaria Aécio na lavagem de propina, suspeita Lava Jato

    GNN Notícias

    Jornal GGN - No documento em que reforça o pedido de prisão contra Aécio Neves ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República Rodrigo Janot revela que além da empresa da família Perrela, um doleiro condenado por tráfico internacional de diamentes é suspeito de ajudar o senador mineiro na lavagem da propina que ele teria recebido da JBS.

    Nas investigações sobre o caso, a Polícia Federal flagrou o assessor parlamentar de Zezé Perrela, Mendherson Souza Lima, conversando de maneira cifrada com o doleiro Gaby Amine Toufic Madi, condenado a 7 anos de prisão em 2016.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 797 outros seguidores

  • Recomendo leitura

Por uma boa causa

Se é por uma boa causa, compartilhando (via O Cafezinho)

Do R7

“Me senti no dever do cumprimento da cidadania”, diz médica que desabafou por ajuda em hospital

Na última quarta-feira, Ângela era a única médica do Rocha Faria e gritou por socorro

A equipe da Rede Record voltou ao hospital Rocha Faria, onde, na última quarta-feira (30), a única médica que fazia o atendimento na unidade fez uma desabafo emocionante e se tornou símbolo da luta contra a falência do sistema público de saúde. Um dia após o desabafo, a doutora Ângela Maria Albuquerque falou com exclusividade ao programa Domingo Espetacular. Veja o vídeo abaixo.

Carioca de 58 anos e 23 de profissão, a doutora Ângela sempre trabalhou em hospitais públicos e há três anos está na emergência do Rocha Faria.

— Numa emergência só chegam pacientes graves. Não é consultório. Não é ambulatório.

Naquela noite, pelo menos três médicos deveriam estar no pronto-socorro. Mas a doutora Ângela estava sozinha.

— Deu entrada um infartado e um suicida. Então, são dois casos bem distintos e você tem que socorrer os dois ao mesmo tempo.

A médica contou que, sem conseguir trabalhar direito, ela precisou dar uma satisfação a quem esperava há horas por um médico.

— Eu me senti no lugar dos pacientes. O sofrimento desse povo marcado pelo descaso. Isso me tocou. Me revoltou.

Segundo Ângela, que ganha R$ 4.100 por mês, os médicos estão fugindo dos hospitais Públicos.

— Não existem médicos, os médicos não querem mais trabalhar. Pelo salário, pelo o que estão pagando, ninguém quer mais trabalhar. E muito desgaste. É estresse.

O sindicato dos médicos do Rio de Janeiro concorda com a médica. De acordo com o presidente, Jorge Darze, o baixo salário tem sido um fator que tem expulsado os médicos dos hospitais públicos.

— Esse médico da administração pública. somado ao ambiente de trabalho degradado que esse médico fica exposto a uma realidade completamente adversa do que nós chamamos do exercício etico profissional.

A médica informou também que até o momento está trabalhando normalmente e que por enquanto não foi chamada para dar explicações à direção do hospital. Para a doutora, o que ela fez não teve nada de heroísmo, foi apenas sinceridade.

— E não me sinto corajosa, eu acho assim que eu me sinto mais no dever do cumprimento da cidadania. Não precisa ter coragem pra exercer a cidadania. Tem que exercer. Não precisa coragem.

A Secretaria Estadual de Saúde não quis se manifestar sobre as denúncias feitas pela médica, mas a direção do hospital Rocha Faria, através de uma nota, reconheceu a superlotação da unidade. Na quarta-feira passada, quando tudo aconteceu, foram feitos 497 atendimentos na emergência. O número é quatro vezes maior do que a capacidade, que é de 120 atendimentos por dia.

Assista ao vídeo:

Anúncios

Lula no Ratinho

Boa tarde Dine Estela, Boa tarde Zé Carlos, Boa tarde Felipe, Joelson, amigos da RNR.

Depois que o presidente Lula foi no programa do Ratinho, no SBT, muitas foram as especulações feitas, mas quase todas imbuídas de muito preconceito, muita ilação infundada e pouca, pouquíssima avaliação crítica.

Em primeiro lugar quem diz que Lula pediu votos para Fernando Haddad, pré candidato a prefeito à prefeitura de São Paulo pelo PT, simplesmente ouviu e não entendeu o que ouviu. Aliás, pode-se ouvir toda a entrevista que já está disponível em vários blogues ou no Youtube, pela internet, e duvido que lá encontrem qualquer alusão a “votem neste candidato”. O ex-presidente Lula respondeu as perguntas que lhes foram feitas, tal como Fernando Haddad que apenas respondeu o que lhe foi perguntado.

É óbvio que isso tem a ver com as próximas eleições, mas ser entrevistado não é proibido, ainda, pela Legislação eleitoral. Aliás, esta emissora, este mesmo programa A Voz de Queimados, já se serviu da Legislação eleitoral para veicular entrevistas feitas com o atual prefeito e candidato a reeleição. O jornal O Estado de São Paulo e os comentaristas do jornal O Globo Merval Pereira e Ricardo Noblá consideram que o ex-presidente fez escárnio da Legislação eleitoral, assumiu uma postura despótica, como disse Merval, quase ditatorial, certamente em alusão questão de não permitir a volta de um tucano ao poder.

Esse mesmo comportamento dessa gente não foi percebido quando o ex-senador Arthur Virgílio, do PSDB do Amazonas, ameaçou dar uma surra no então candidato Lula ou quando representantes dos Democratas (Jorge Bornhausen, Democratas de SC) disseram que iam varrer o PT da política brasileira.

Sobre o assunto Gilmar Mendes Lula foi perfeito. Quem tem o dever de provar que a pressão existiu é o togado Gilmar Mendes. Se ele [LULA] já manifestou publicamente que a conversa não aconteceu; se o ex-ministro Nelson Jobim já declarou que tal conversa não existiu, Gilmar Mendes que prove que ela existiu. E tem mais: Lula não tem que ficar dando corda pra esse assunto porque é tudo o que a velha mídia quer; ou seja, desviar o foco da CPMI que vai, inevitavelmente, alcançar a velha mídia e o ministro Gilmar Mendes. Ficar dando corda pra fofoca é fazer a mentira se tornar verdade e Lula sabe disso.

Além disso, tem algumas perguntas que o ministro Gilmar Mendes tem de responder. Primeiro: se a conversa aconteceu no final de abril, por que Gilmar Mendes não ofereceu denúncia imediata ao Ministério Público? Segundo: e se foi em Abril, por que somente agora, depois que surgiram suspeitas de que ele participou do esquema de Carlinhos Cachoeira ele diz que aconteceu tal conversa? Terceiro, pra finalizar: E por que divulgou tal conversa pela revista Veja, a mesma que está envolvida até o pescoço com o lamaçal de Cachoeira?

Se ele conseguir responder tais questões sem gaguejar talvez mereça algum crédito, mas a esta altura dificilmente alguém conseguirá acreditar na palavra do ministro Gilmar Mendes.