• Chegou a hora da verdade, golpistas

    No Blog da Cidadania

    Imagino que poucos tenham sido os que perderam tempo de sono assistindo à encenação barata levada a cabo no Senado da República na madrugada desta quinta-feira, 12 de maio de 2016. Este blogueiro não esteve entre esse bando de crédulos, por óbvio. Pouco importou o que disse este ou aquele senador. As cartas estavam marcadas.

    Não aconteceu nada de relevante no Plenário do Senado. Todos sabiam que nada havia a esperar. Nenhuma defesa de Dilma, por mais brilhante que fosse, mudaria o rumo das coisas. Nenhuma acusação que coonestasse o que lá ocorria veio nos salvar da confirmação de que a democracia estava sendo violentada com requintes de crueldade – pela capa torturante de “legalidade” (mal) estendida sobre o processo de impeachment de Dilma Vana Rousseff.

    O impeachment, pode-se dizer, ocorreu sob amplo constrangimento dos seus autores, dos seus executores e da assistência no entorno.

    Leia mais em Gestão Dória será investigada por cárcere privado de servidores


  • A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta.

    O Cafezinho

    Por Bojonas Teixeira Marisa Letícia, submetida ao estresse extremo, sofreu um AVC e morreu. Os médicos são unânimes em que o ambiente de pressão, de perseguição e linchamento foi causa decisiva para essa morte. Mas, mesmo assim, Sérgio Moro não a absolveu. Os advogados pediram a absolvição dela após a morte. Mas ele não aceitou. Apenas decretou a “extinção da punibilidade”. Ou seja, manteve um espinho cravado sobre a alma dela, mesmo depois de morta. Perseguindo-a, com as fúrias da lei, mesmo no outro mundo. Mas e Claudia Cruz? Cláudia, foi absolvida.

    Marisa Letícia nunca teve conta na Suíça, não fez gastos de US$ 526 mil no cartão de crédito, ou seja, mais de meio milhão de dólares, em compras suntuosas nas capitais do luxo. No entanto, apesar de Cláudia, como é conhecida na intimidade, gastar mais de meio milhão de dólares em futilidades, Moro viu nisso só inocência. Só vislumbrou boa fé. No caso de Maria Letícia, ao contrário, aceitou a denúncia ridícula que a acusa de lavagem de dinheiro por um triplex que ela nunca usou. Cláudia Cruz comprou, usou, consumiu, usufruiu, ostentou. Mas é inocente. Já no caso de Marisa, não comprou, não usou, não habitou – Mas havia elementos suficientes para que o juiz aceitasse a acusação.

    Leia mais em A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta


  • Doleiro preso por tráfico ajudaria Aécio na lavagem de propina, suspeita Lava Jato

    GNN Notícias

    Jornal GGN - No documento em que reforça o pedido de prisão contra Aécio Neves ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República Rodrigo Janot revela que além da empresa da família Perrela, um doleiro condenado por tráfico internacional de diamentes é suspeito de ajudar o senador mineiro na lavagem da propina que ele teria recebido da JBS.

    Nas investigações sobre o caso, a Polícia Federal flagrou o assessor parlamentar de Zezé Perrela, Mendherson Souza Lima, conversando de maneira cifrada com o doleiro Gaby Amine Toufic Madi, condenado a 7 anos de prisão em 2016.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 797 outros seguidores

  • Recomendo leitura

E o PT se nivelou… por baixo

Há muito o PT já não é o mesmo, mas ainda assim é o melhor partido para se militar. Ideologicamente temos um viés à esquerda, o que significa defender melhor qualidade de vida para todas as cidadãs e cidadãos com garantia de emprego, renda, moradia digna, alimentação e acesso aos bens e serviços que durante muitos anos ficou limitado à uma classe social abastada economicamente.

Estamos em vias de realizar o Processo de Eleições Diretas que vai eleger os novos dirigentes partidários nos três níveis: municipais, estaduais e nacional. Entendam: somente um partido construído sob a bandeira da Democracia poderia criar um mecanismo que permitisse a qualquer filiado, do mais humilde ao ex presidente Lula, participar em igualdade de condições. Cada voto vale um voto e todos os que estão em dia com sua obrigação financeira com o partido pode votar e ser votado.

Embora essa filosofia ainda resista ela já começa a ser corrompida porque ao longo dos anos aceitamos filiações de toda ordem e muitos que viveram em lado oposto aos petistas em muitas cidades acabaram tendo suas fichas abonadas e passaram a disputar espaços no PT, partido alvo de suas críticas quando na oposição, mas que ora lhe abrigam calorosamente em seu seio.

Descobriram que comandar um partido lhes pode ser útil, e um partido como o PT, mais que útil, utilíssimo. Hoje me deparo com uma nota nas redes sociais (porque não leio o porcalhão do jornal O Globo que vive detratando o partido), mas a nota é da coluna Panorama Político de Ilimar Franco, do jornal O Globo e diz:

Deputado Henrique Fontana

Deputado Henrique Fontana

 

Compra de votos no PT
Esta é a denúncia mais grave desde o mensalão. O deputado Henrique Fontana (PT-RS) acusa que há compra de votos na eleição para presidente do PT. “Desconfio de pagamento coletivo. Uma pessoa pagou para um grupo e isso é voto de cabresto”, diz. Ele conta: “184.893 filiados estavam aptos a votar em 28/8. Ontem, eram 780 mil os filiados que estavam em dia com a tesouraria”.

 

Eu tenho sustentado meus discursos de que alguma coisa subverteu a ordem no PT. A começar pelo modo de cobrança dos seus filiados. Quem não se propõe a pertencer aos Diretórios e às Comissões Executivas nos três níveis contribuem como “Filiado Padrão” cujo valor mínimo é de R$ 30 (trinta reais) anuais. Mas os que vão dirigir o partido em qualquer nível, passa a contribuir mensalmente. Na minha realidade este valor pode chegar aos R$ 360 (trezentos e sessenta reais) ano. Muitos trabalhadores que conheço não querem mais pertencer às direções porque são penalizados dessa forma. Logo estes que empregam muito mais que dinheiro ao partido: empregam tempo, trabalho intelectual e físico e outras contribuições por consequência das atribuições do dirigente partidário. Assim, entregamos o partido aos que são ocupantes de cargos eletivos e passamos a orbitar em torno de seus interesses porque estes sustentam inclusive determinadas “garrafinhas” nos cargos mais importantes do partido. Garrafinhas que ignoram o projeto político do PT para defender o projeto pessoal do financiador do seu cargo.

Maioria absoluta dos novos filiados do PT quando descobrem que precisam contribuir financeiramente se assustam. Eles não estão filiados por convicção, mas por conveniência e sabe-se lá Deus por que mais. Talvez esse balaio de gatos explica a distância que o partido afastou-se dos movimentos sociais. Os grupos mais ortodoxos estão desanimados porque não concordamos com a prática da filiação em massa para garantir maior espaço e não conseguimos forças para enfrentar essa avalanche fraudulenta. Os Diretórios tem sido mera peça decorativa e os filiados meras “garrafinhas” ventríloquas porque as decisões acabam sendo tomadas nos gabinetes dos mandatos sem nenhuma relação com a sociedade ou movimento social.

E por que continuamos então? Ora, não há no país outro partido com as características democráticas do PT e porque ainda acreditamos que será possível restabelecer os mecanismos honestos do bom combate; do debate que fortalece e dinamiza o partido; das disputas pautadas nas ideias e não nas finanças; do partido que humaniza e não manipula. Acreditamos sim e vamos continuar na luta, mas hoje o partido se igualou a maioria dos partidos e, lamentavelmente, se nivelou por baixo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: