• Chegou a hora da verdade, golpistas

    No Blog da Cidadania

    Imagino que poucos tenham sido os que perderam tempo de sono assistindo à encenação barata levada a cabo no Senado da República na madrugada desta quinta-feira, 12 de maio de 2016. Este blogueiro não esteve entre esse bando de crédulos, por óbvio. Pouco importou o que disse este ou aquele senador. As cartas estavam marcadas.

    Não aconteceu nada de relevante no Plenário do Senado. Todos sabiam que nada havia a esperar. Nenhuma defesa de Dilma, por mais brilhante que fosse, mudaria o rumo das coisas. Nenhuma acusação que coonestasse o que lá ocorria veio nos salvar da confirmação de que a democracia estava sendo violentada com requintes de crueldade – pela capa torturante de “legalidade” (mal) estendida sobre o processo de impeachment de Dilma Vana Rousseff.

    O impeachment, pode-se dizer, ocorreu sob amplo constrangimento dos seus autores, dos seus executores e da assistência no entorno.

    Leia mais em Gestão Dória será investigada por cárcere privado de servidores


  • A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta.

    O Cafezinho

    Por Bojonas Teixeira Marisa Letícia, submetida ao estresse extremo, sofreu um AVC e morreu. Os médicos são unânimes em que o ambiente de pressão, de perseguição e linchamento foi causa decisiva para essa morte. Mas, mesmo assim, Sérgio Moro não a absolveu. Os advogados pediram a absolvição dela após a morte. Mas ele não aceitou. Apenas decretou a “extinção da punibilidade”. Ou seja, manteve um espinho cravado sobre a alma dela, mesmo depois de morta. Perseguindo-a, com as fúrias da lei, mesmo no outro mundo. Mas e Claudia Cruz? Cláudia, foi absolvida.

    Marisa Letícia nunca teve conta na Suíça, não fez gastos de US$ 526 mil no cartão de crédito, ou seja, mais de meio milhão de dólares, em compras suntuosas nas capitais do luxo. No entanto, apesar de Cláudia, como é conhecida na intimidade, gastar mais de meio milhão de dólares em futilidades, Moro viu nisso só inocência. Só vislumbrou boa fé. No caso de Maria Letícia, ao contrário, aceitou a denúncia ridícula que a acusa de lavagem de dinheiro por um triplex que ela nunca usou. Cláudia Cruz comprou, usou, consumiu, usufruiu, ostentou. Mas é inocente. Já no caso de Marisa, não comprou, não usou, não habitou – Mas havia elementos suficientes para que o juiz aceitasse a acusação.

    Leia mais em A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta


  • Doleiro preso por tráfico ajudaria Aécio na lavagem de propina, suspeita Lava Jato

    GNN Notícias

    Jornal GGN - No documento em que reforça o pedido de prisão contra Aécio Neves ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República Rodrigo Janot revela que além da empresa da família Perrela, um doleiro condenado por tráfico internacional de diamentes é suspeito de ajudar o senador mineiro na lavagem da propina que ele teria recebido da JBS.

    Nas investigações sobre o caso, a Polícia Federal flagrou o assessor parlamentar de Zezé Perrela, Mendherson Souza Lima, conversando de maneira cifrada com o doleiro Gaby Amine Toufic Madi, condenado a 7 anos de prisão em 2016.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 797 outros seguidores

  • Recomendo leitura

Pedagogia Apropriada à Educação: desafio da esquerda

Este artigo foi uma provocação da Secretaria de Formação Política do PT em Queimados feita ao deputado estadual Waldeck Carneiro, professor da UFF e ex-secretário de educação de Niterói.

É possível estabelecer uma pedagogia que oriente as diretrizes curriculares da cidade e aplica-la efetivamente em sala de aula?

Extraído de fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302002008100003
Extraído de fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302002008100003

A escola de Anísio Teixeira e os fundamentos pedagógicos de Paulo Freire foram construídos sob o alicerce de uma sociedade majoritariamente analfabeta. Se em 1920 cerca de 70% da população era completamente analfabeta, em 2000, o índice cai a pouco mais de cerca 12%. Com o passar dos anos aumentou-se substantivamente a oferta de escolarização e hoje se pode afirmar que mais de 90% das crianças estão em sala de aula. O governo popular do Partido dos Trabalhadores foi responsável pelo crescimento exponencial da escolarização no Brasil melhorando estruturas escolares, oferecendo alternativas de transportes, de alimentação e de material didático, e alterou significativamente nas classes mais excluídas da sociedade. O gráfico ao lado revela: se antes só brancos e ricos eram privilegiados em escolarização, com o governo popular as famílias mais pobres puderam escolarizar seus filhos e filhas sem prejuízo das demais camadas sociais.

Esses dados, entretanto, não significam qualidade no processo de ensino-aprendizagem. Melhorou a estrutura escolar com mais

Extraído de fonte: https://ensaiosdegenero.wordpress.com/category/raca-cor-etnia/
Extraído de fonte: https://ensaiosdegenero.wordpress.com/category/raca-cor-etnia/

escolas, mais instrumentos didático-pedagógicos, transporte e alimentação, mas a escola pedagogicamente falando é a mesma de Anísio Teixeira e Paulo Freire. Reproduzimos a pedagogia dos conteúdos. O artigo de Aloísio Milani na Revista Eletrônica Educação [disponível Aqui], em setembro de 2011, escreveu “Alunos são massacrados pelos pais e pela escola por apresentarem péssimos rendimentos em interpretação de textos, por não compreender o que leem, por não gostar de ler.” Isto pode ser verificado nos dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) onde, por exemplo, para o quarto e quinto ano, aqui na cidade Queimados. A meta para alcançar o índice 4.8 não passou de exatos 4 pontos. Diferente de Japeri, cidade vizinha, cujo IDH é bastante inferior ao de Queimados, que tinha meta de 4.2 e superou alcançando 4.3 pontos na Prova Brasil.

Independente desses resultados é flagrante perceber grande dificuldade entre os meninos e meninas de até 16 anos em concatenar ideias, interpretar e construir textos ainda que seja desprezada a questão gramatical de acordo com o pensamento de Sírio Possenti e Marcos Bagno. E por que isto acontece?

O nosso entendimento à luz da ciência da educação, a Pedagogia, falta um elo entre quem ensina e quem aprende. Pedro Demo diz que professor que não pesquisa não tem o que ensinar. Critica a ausência de leitura em sala de aula. Ironiza ao dizer que professor só lê “quando sobra tempo”. Paulo Freire, por exemplo, fala de uma leitura que não depende de texto escrito. Ele fala de uma “leitura de mundo” claramente identificada no curtíssimo décimo primeiro parágrafo de seu texto “A importância do Ato de Ler” ao exprimir: “Na medida, porém, em que me fui tomando íntimo do meu mundo, em que melhor o percebia e o entendia na “leitura” que dele ia fazendo, os meus temores iam diminuindo.”

Imagem capturada da Revista Eletrônica Fórum
Imagem capturada da Revista Eletrônica Fórum

Além disso, nas palavras de Dermeval Saviani, em Pedagogia Histórico-crítica: Primeiras aproximações, ainda está presente entre nós “os mecanismos de adaptação [que] acionados periodicamente a partir dos interesses dominantes podem ser confundidos com os anseios da classe dominada”. Foi então que vimos professores em passeatas contra o governo pedindo intervenção militar no lugar de Paulo Freire.

Machete da revista Fórum, disponível na internet diz: “Professor cria polêmica em protesto contra Paulo Freire: Pedagogia do Oprimido é coitadismo, diz o sub lead. A matéria explicou

“…Entre pedidos de impeachment, intervenção militar, xingamentos e outras formas questionáveis de manifestação, uma faixa em especial chamou a atenção. ‘Chega de doutrinação marxista. Basta de Paulo Freire’ foi a mensagem levada às ruas de Brasília pelo professor de história Eduardo Sallenave, de 27 anos.”

Caímos, portanto, num ponto fundamental a ser debatido exaustivamente. Entre nós professores e professoras expressamos diferentes ideologias e, ainda que pese a imperativa necessidade de conhecimento do alunado carregamos, em quantidade, uma intencionalidade ideológica que afeta sobremaneira a práxis educativa.

O deputado Waldeck Carneiro foi Secretário de Educação do município de Niterói. Remetemos à ele essas questões. Como é que equalizamos este problema respeitando a ideologia de cada um, mas implementando uma pedagogia que produza no alunado um aprendizado que internalizado possa torna-lo cidadão crítico, consciente, e que sirva para a promoção da paz entre as pessoas, lembrando o professor Ubiratan D’Ambrósio?

Na sua experiência na Secretaria de Educação sob uma gestão popular, que trabalha para a emancipação cidadã das pessoas, até onde é possível estabelecer uma pedagogia que oriente a prática educacional a ser adotada numa cidade, permeando as várias ideologias, mas com foco no alunado?

Considerando todas as dificuldades pelas quais os professores e professoras são submetidos como fazer para se tornarem “especialistas no alunado” de acordo com Maria Teresa Egler Mantoan?

São estas as questões ora apresentadas e gostaríamos de ouvi-lo repetindo a pergunta inicial. É possível estabelecer uma pedagogia que oriente as diretrizes curriculares da cidade e aplica-la efetivamente em sala de aula?

Numa perspectiva freireana o caminho é o diálogo, diz Waldeck

Quem esperava uma solução empacotada se decepcionou com o debate, porque o deputado Waldeck Carneiro, como professor que é, apresentou dados e falou de algumas experiências exitosas na cidade de Niterói, mas pontuou que não é possível comparar as duas cidades como parâmetro de ações para resolver os problemas que emergem do processo educacional considerando as realidades singulares de cada cidade. Enquanto Niterói, que já foi capital do Estado da Guanabara, com royalties do Petróleo e com todo trabalho já iniciado nos 8 anos que antecederam à gestão de Rodrigo Neves (atual prefeito de Niterói), Queimados teria que construir o seu próprio caminho “mas se há algo que posso dizer para enfrentar essa questão, numa perspectiva freireana de entender o processo educacional, sem perder o perspectiva dirigente, é a promoção de uma gestão participativa, fazer a educação pelo diálogo”, disse Carneiro.

Tal como os principais pensadores acadêmicos da educação Carneiro lembrou da necessidade de construir um Currículo etnopedagógico. O gestor pode – deve! – apresentar as diretrizes pedagógicos planejando ações a partir do diálogo com toda a comunidade escolar [professores, alunos, pais de alunos e outros colaboradores], estabelecendo metas e um processo avaliativo, mas cada unidade escolar precisa ser protagonista do seu projeto pedagógico. Lembrou que em Itaboraí/RJ, o teto de uma escola desabou por completo, felizmente num domingo. Isto remete ao pensamento de como se cuidam das estruturas escolares. Tornar a escola um espaço com acolhida digna para professores e alunos com salas limpas, bem iluminadas, seguras e com os instrumentos pedagógicos em condições de uso para o processo ensino-aprendizagem.

Carneiro também não esqueceu do grande desafio da esquerda: valorização dos profissionais de educação com salários dignos, formação continuada, reconhecimento. Também lembrou da necessidade de fortalecimento das instâncias que auxiliam a gestão educacional com assessoramento técnico e formação dos conselheiros para atuarem nos diversos conselhos escolares incluindo o Conselho Municipal de Educação. Os gestores (prefeito e secretário) precisam de boa articulação. Trouxe um exemplo que pode ser copiado de Niterói independente das característica de cada cidade em particular. Trata-se de um gabinete de projetos com uma equipe qualificada que traduzia em projetos bem construídos, com boa fundamentação, um orçamento justo, com metas e processos de avaliação definidos. Este gabinete pode atender não apenas a educação, mas a todas as áreas de competência da prefeitura.

O debate contou com a presença do vereador Elton Teixeira e do deputado Zaqueu Teixeira que encerrou os trabalhos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: