• Chegou a hora da verdade, golpistas

    No Blog da Cidadania

    Imagino que poucos tenham sido os que perderam tempo de sono assistindo à encenação barata levada a cabo no Senado da República na madrugada desta quinta-feira, 12 de maio de 2016. Este blogueiro não esteve entre esse bando de crédulos, por óbvio. Pouco importou o que disse este ou aquele senador. As cartas estavam marcadas.

    Não aconteceu nada de relevante no Plenário do Senado. Todos sabiam que nada havia a esperar. Nenhuma defesa de Dilma, por mais brilhante que fosse, mudaria o rumo das coisas. Nenhuma acusação que coonestasse o que lá ocorria veio nos salvar da confirmação de que a democracia estava sendo violentada com requintes de crueldade – pela capa torturante de “legalidade” (mal) estendida sobre o processo de impeachment de Dilma Vana Rousseff.

    O impeachment, pode-se dizer, ocorreu sob amplo constrangimento dos seus autores, dos seus executores e da assistência no entorno.

    Leia mais em Gestão Dória será investigada por cárcere privado de servidores


  • A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta.

    O Cafezinho

    Por Bojonas Teixeira Marisa Letícia, submetida ao estresse extremo, sofreu um AVC e morreu. Os médicos são unânimes em que o ambiente de pressão, de perseguição e linchamento foi causa decisiva para essa morte. Mas, mesmo assim, Sérgio Moro não a absolveu. Os advogados pediram a absolvição dela após a morte. Mas ele não aceitou. Apenas decretou a “extinção da punibilidade”. Ou seja, manteve um espinho cravado sobre a alma dela, mesmo depois de morta. Perseguindo-a, com as fúrias da lei, mesmo no outro mundo. Mas e Claudia Cruz? Cláudia, foi absolvida.

    Marisa Letícia nunca teve conta na Suíça, não fez gastos de US$ 526 mil no cartão de crédito, ou seja, mais de meio milhão de dólares, em compras suntuosas nas capitais do luxo. No entanto, apesar de Cláudia, como é conhecida na intimidade, gastar mais de meio milhão de dólares em futilidades, Moro viu nisso só inocência. Só vislumbrou boa fé. No caso de Maria Letícia, ao contrário, aceitou a denúncia ridícula que a acusa de lavagem de dinheiro por um triplex que ela nunca usou. Cláudia Cruz comprou, usou, consumiu, usufruiu, ostentou. Mas é inocente. Já no caso de Marisa, não comprou, não usou, não habitou – Mas havia elementos suficientes para que o juiz aceitasse a acusação.

    Leia mais em A Justiça de Moro – Cláudia Cruz, inocentada. Já Marisa Letícia, nem depois de morta


  • Doleiro preso por tráfico ajudaria Aécio na lavagem de propina, suspeita Lava Jato

    GNN Notícias

    Jornal GGN - No documento em que reforça o pedido de prisão contra Aécio Neves ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República Rodrigo Janot revela que além da empresa da família Perrela, um doleiro condenado por tráfico internacional de diamentes é suspeito de ajudar o senador mineiro na lavagem da propina que ele teria recebido da JBS.

    Nas investigações sobre o caso, a Polícia Federal flagrou o assessor parlamentar de Zezé Perrela, Mendherson Souza Lima, conversando de maneira cifrada com o doleiro Gaby Amine Toufic Madi, condenado a 7 anos de prisão em 2016.

    Clique para continuar a ler.


  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 797 outros seguidores

  • Recomendo leitura

Artigos

Autobiografia: construindo temas para Pesquisa Educacional

por Rildo Ferreira

Resumo

O texto trata de resgatar a trajetória de vida escolar fazendo uma ponte com a realidade atual, pois busca encontrar fatos que podem servir de tema para pesquisa educacional. Ele começa se reportando a outro texto, se reporta a chegada do autor ao Rio de Janeiro e sua introdução na vida escolar. Procura detalhar os fatos que foram marcantes e ignora aqueles cuja memória não permitiu uma reconstituição com fidelidade. Ao final apresenta cinco temas identificados no texto, e dos cinco, destaca dois que considera importante para uma pesquisa mais amiúde.

I – Introdução
O texto que apresento a seguir é uma reconstituição da minhatrajetória de vida escolar. Procurei relembrar dos passos que me trouxeram à universidade e de toda a problemática vivida por mim em cada etapa educacional. Não foi fácil reconstituir o período escolar da minha infância. Esta eu queria definitivamente esquecer, tamanho foi o sofrimento vivido, e parte dessa trajetória a memória já havia bloqueado.

Vou dividir o texto em algumas partes. A primeira delas me leva até o momento em que abandonei a escola na segunda metade da década de 1970. Neste primeiro momento eu destaco que aprendi mais fora da escola que dentro dela. A segunda parte resgata o período que fiquei fora da escola e competindo no mercado de trabalho, competição que me via desfavorecido sem uma escolaridade que me garantisse permanência no emprego. Então eu começo uma terceira parte que é a que me leva de volta à escola. Por fim, uma quarta parte que relembra um longo período fora da sala de aula o que me distanciava do ensino superior, mas graças a um programa social do governo federal, volto à estudar, agora na academia de Pedagogia.

Em cada etapa abordo temas como tecnologias, bullying, evasão escolar, saberes constituídos na prática comunitária, o exercício do poder na sala de aula entre outros que servem de temas para pesquisa educacional. Ao fim, apresento cinco distintos temas e destaco dois como de importância pessoal para uma pesquisa educacional mais acurada. Vamos ao texto.

II – A chegada no Rio de Janeiro e a primeira escola

Quero começar esse texto relembrando outro que já foi postado no meu blog e que tem o título de Infâncias de Ontem e de Hoje: diferenças determinantes. Nesse texto eu tentei mostrar que os novos recursos tecnológicos tiraram da criança a oportunidade de experimentar viajar num mundo inteiramente imaginário, longe dos personagens cibernéticos criados e impostos como opção para uma aventura infantil. A nova geração nasce em berço multimedia, com portas para um mundo virtual onde o pensar não faz parte do programa. Com os novos recursos da chamada terceira revolução, o pensar não se distancia muito de “devo ou não apertar o botão ‘power’?” e a partir dele entrar numa aventura pré-definida, programada, mas inteiramente legitimada pela nova geração.

No texto Infâncias de Ontem e de Hoje: diferenças determinantes resgato o tempo da minha meninice e o que era preciso fazer para brincar. Naquele tempo, os pobres tinham que criar suas próprias brincadeiras; ouvir histórias dos mais velhos e inventar outras; criar um mundo imaginário, com personagens igualmente imaginários ou, quando muito, personagens dos programas de TV. Poucas eram as crianças que dispunham de brinquedos industrializados. Nossos carrinhos eram feitos de pedaços de madeira e latas vazias de sardinhas; nossos bonecos eram feitos com trapos de panos; nossas bolas feitas com meias velhas ou de jornal velho. Apesar da precariedade e da pobreza, nossas brincadeiras eram riquíssimas em criatividade e imaginação. Éramos capazes de criar histórias cheias de sinistros para serem contadas nos dias de lua-cheia. Bem, mas essa era a parte boa da história, no texto Infâncias de Ontem e de Hoje: diferenças determinantes eu não tratei do meu período escolar, por exemplo, e que não me trazem boas recordações.

Para que eu possa dissertar sobre esse período na escola, preciso relembrar como chegamos ao Rio de Janeiro. Não me lembro de onde vínhamos, sei, entretanto, que ao chegar a Austin, na Baixada Fluminense, o sol castigava a todos os descobertos. Miúdos e esfarrapados, cansados da viagem e famintos, caminhamos por cerca de dois quilômetros para chegar à casa de um primo de meu pai. Meu pai, aliás, não sabia que estávamos no Rio. Minha mãe nos trouxe de surpresa, fugindo de uma miséria incomensurável das terras mineiras. Poucos meses depois da nossa chegada, fomos matriculados numa escola privada por benevolência da proprietária. Esta foi minha primeira experiência escolar no Rio de Janeiro; traumática, haja vista que íamos descalço para a escola e, mormente, éramos vítimas debullying; chacota para os meninos da sala de aula que teimavam em zombar da nossa miséria.

Um ano depois, já com ajuda de meu pai, mudamos para um endereço próprio. A partir daí a experiência escolar era traumática já na matrícula, pois para se conseguir uma vaga na escola pública, era necessário dormir vários dias numa fila enorme e sofrer, além da fome e da zombaria, do frio que a noite trazia. Não me recordo muito bem da alfabetização, salvo do caderninho de caligrafia que me parecia castigo ao fazer o exercício, dada a quantidade de vezes que se repetia letras e símbolos. Aliás, nos dias atuais, ainda é possível ver castigos dessa natureza, onde o aluno é levado a copiar dezenas, centenas de vezes uma oração de impacto tipo, não devo fazer issoNão devo fazer aquilo… O que me vem à memória com maisfreqüência foi do período de 5ª. a 8ª. séries. Me lembro no dia em que minha irmã mais velha, substituindo minha mãe, foi à escola para ouvir uma reclamação da professora de inglês porque eu insistia em ficar desenhando quando ela estava a “ensinar” o dever. Ora, na ocasião nada me ocorria senão um desejo muito grande de desenhar. Nesta ocasião, e por conta dos nossos jogos de futebol num campinhodo bairro, criei um jornal manuscrito para produzir notícias dos nossos jogos e eu ilustrava o jornal com meus desenhos, como se fossem as fotografias de um jornal impresso.

Parece incrível, mas ninguém se atreveu a me dar a atenção que eu desejava. Aquela reclamação serviria para ofuscar um desejo meu que em nada atrapalhava o meu aprendizado. Pelo contrário, até ajudaria se fosse trabalhado de maneira a aproveitar aquele interesse para então enriquecer o meu aprendizado. No jornal manuscrito, poderiam me ajudar na produção de texto, na correção gramatical, na introdução de novas palavras para melhorar o vocabulário etc., mas, ali, o professor não tinha o interesse no meu aprendizado, pelo menos naquilo que me interessava. Para ele (o professor), interessava um conteúdo previamente determinado por aquilo a que chamam de livrodidático e que lhes foram impostos por um sistema que procurava perpetuar o status quo, de modo que deixava claro que o poder estava circunscrito a uns poucos, enquanto que para a maioria lhes bastava alfabetização de conteúdos longe de suas necessidades. E assim, com interesses diferentes, professor e aluno se distanciavam e eu fui aprendendo a produzir textos muito mais pela prática ao longo dos dias que por intermediação do educador. A gramática, tão imperativamente defendida pelos gramáticos como ensino obrigatório, era um enigma e algo visto por mim como inalcançável. Minhas condições históricas não me permitiam um envolver no aprender da maneira como era ‘transmitido’ tal conhecimento.

Também neste tempo a manifestação do poder condigno (Galbraight, 1979) era claro entre a escola, aqui entendida como diretores, professores e funcionários, e os alunos. Muitas vezes fui levado à secretaria e lá deixado de castigo. Não se mensurava qual o prejuízo moral era causado ao aluno castigado. Estes eram simplesmente retirados da sala de aula e deixados na secretaria até que a diretoraresolvesse lhe tomar satisfação e determinar a punição que reforçaria o poder condigno. É importante salientar que estamos falando de um período cujo regime autoritário sob o comando dos militares era o vigente, e os professores adotavam a régua escalonada como palmatória para o castigo já na sala de aula. Nós alunos, éramos brutalmente violentados em nossos direitos mais elementares e caía sobre nós um pavor brutal do corpo docente, inclusive dos funcionários como merendeiras, faxineiros e vigias. Os inspetores de disciplina saíam às ruas em busca dos gazeteiros. Uma vez encontrados, eram levados ao castigo. A escola aqui representava o Estado autoritário e seu corpo docente reproduzia os mecanismos de coerção, de intimidação, no singular exercício do poder condigno, como disse Galbraith no seu trabalho sobre a Anatomia do Poder:

Por estar associado tanto à propriedade quanto à personalidade e por ter acesso a todos os instrumentos de coerção, o governo é uma instituição peculiarmente forte, de poder excepcional. Por isso seu poder é inevitavelmente encarado com temor, muitas vezes com pavor, e em todas as sociedades civilizadas concorda-se em que deve haver limites ao seu exercício. Pensa-se, em especial, que deve haver limites ao uso do poder condigno (Galbraith, 1999: p. 72)

E era assim mesmo. A escola esforçava-se para semear o medo, independente dos efeitos que provocaria no aprendizado dos alunos, e o corpo docente fazia isso de modo muito natural. Era o governo exercendo o poder condicionado sobre uma massa acrítica, que já fora ‘treinada’ para reproduzir a sociedade tal como ela se apresentava, como disse Althusser (1985), que bastava assegurar à força de trabalho as condições materiais de sua reprodução para que se reproduza como força de trabalho, e que na escola podia-se aprender a ler e a escrever, mas aprendia-se, sobretudo, as ‘regras’ de bom comportamento e funcionava como um Aparelho Ideológico de Estado através da ideologia e da repressão, seja ela atenuada, dissimulada ou mesmo simbólica (Althusser, 1985: p. 70). Althusserdisse mais: A escola é o pior dos Aparelhos Ideológicos de Estado. E porquê? Ele responde:

Ela se encarrega das crianças de todas as classes sociais desde o Maternal, e desde o Maternal ela lhes inculca, durante anos, precisamente durante aqueles em que a criança é mais “vulnerável”, espremida entre o aparelho de Estado familiar e o aparelho de Estado escolar, os saberes contidos na ideologia dominante (…), ou simplesmente a ideologia dominante (…), ou simplesmente a ideologia dominante em estado puro (…). Por volta do 16º ano, uma enorme massa de crianças entra “na produção” (p. 79)…

O medo de ser vitimado pelas agressões e repressões na escola, um conteúdo que era difícil de ser assimilado me afundava ainda mais na ignorância. Não demorou muito, vendo toda a dificuldade de me relacionar e de aprender, abandonei os estudos na segunda metade do ano quando cursava a sexta série.

III – O abandono escolar
Fiquei alguns anos sem ir à escola. Minha vida agora era dada ao trabalho para ajudar no sustento familiar. Como não era fácil conseguir emprego formal, restou-me a opção de embrenhar-me no trabalho informal. Fui ser feirante. Vendia laranjas e tangerinas e, não raramente, vendia doces e balas nos vagões de um trem ferroviário. Esse foi um período de grande aprendizagem. Foi exercendo esta atividade que desenvolvi certa habilidade para os cálculos e conversando com um e com outro, adquiri um vocabulário mais apropriado para o tempo presente. Neste tempo eu tinha 12 anos. Mesmo sendo ainda muito menino meus pais não se importavam com esse meu destino. Para eles, desde que eu levasse dinheiro para casa e que não fosse de modo desonesto, se trabalhava ou estudava, ou se trabalhava e estudava, eu mesmo devia conduzir o meu destino. Não consigo medir qual a importância disso na minha vida; minha reclamação é com a falta de afetividade, de solidariedade, de família mesmo, tanto que eu me relacionava melhor com outras famílias que não a minha. É aqui que entra um personagem muito importante na minha vida e que, me reportando a ele neste texto, espero reconhecer justamente sua significação para mim. Talvez eu nunca tenha dado o justo reconhecimento do significado deste outro em minha vida, inclusive no meu aprendizado, e quero fazê-lo agora.

Dois anos depois de deixar de estudar eu consegui meu primeiro emprego com assinatura em carteira e foi Jorge Gonçalves, que era também menino como eu, era apenas um ano mais velho e trabalhava numa loja especializada que vendia roupas para ‘gordinhas’, quem me conduziu ao meu primeiro emprego formal com assinatura em carteira numa loja de cortinas e tapetes. Ali eu fazia a limpeza da loja e as entregas em domicílio. Mas não foi isto o que mais importante aconteceu nesta relação de amizade. O mais importante acontecia quando nada tínhamos para fazer nos dias de folga. Foi com ele e a partir dele que ensaiei meus primeiros poemas, ouvi e aprendi a admirar músicas brasileiras cuja letra fazia algum sentido e ‘inocentemente’ filosofávamos sobre os astros e algumas coisas terrenas. A partir daquelas curiosas observações, construíamos alguns saberes e outros que só vieram a ser ratificado ou retificado quando retornei à escola para concluir o meu primeiro grau.

As nossas observações sobre o sol, a lua e as estrelas eram de fato muito inocentes. Mas nada que hoje, sob o ângulo de uma Pedagogiada Autonomia de Paulo Freire, se devesse desperdiçar. Ora, se o que falávamos sobre os astros era algo verdadeiramente falso, não seria a partir desse não saber sobre os astros, mas reconhecendo nas duas crianças uma curiosidade ingênua, que Paulo Freire (2005) começaria a orientação na construção de um conhecimento mais amiúde, mais científico? O querer saber por que a lua adquiria uma forma visível da terra parecida como uma ‘foice’, ou um C invertido, como chamávamos, tomava-nos boa parte da noite. A procura por estrelas cadentes e algumas observações sobre o motivo delas estarem se movendo de um lugar para o outro de maneira tão veloz fazia-nos imaginar coisas muito curiosas. Estas e outras observações permaneceram na ingenuidade por muito tempo por falta de um educador que nos levasse a um saber mais apropriado. Quanto às músicas até ali eu não tinha nenhuma afinidade com ela. Mas a partir daquele menino que cantava as canções da moda naquele tempo eu consegui aprender alguns acordes de violão. E a partir de então, comecei a comprar revistas às quais chamávamos de ‘modinhas’, que traziam as letras de músicas cifradas, ou seja, com os símbolos dos acordes necessários para tocá-las. O contexto desse movimento me levou a conhecer novas palavras e conhecendo-as, passei a escrever mais e mais, não somente como poemas para serem recitados, mas como músicas para serem cantadas. Eu afirmo categoricamente que aprendi muito mais no convívio com aquele menino, que ainda hoje não tem o segundo grau, que com os professores e professoras em sala de aula dos meus tempos de escola até os 12 anos. Jorge Gonçalves reside em Miguel Couto, bairro da cidade Nova Iguaçu, é hoje motorista de ônibus, evangélico, tem 5 filhos sendo 1 homem e 4 lindas meninas, todos me chamam de tio e exijo que meus filhos, se não desejam tratá-lo como um parente, que o respeite como merece.

Depois do serviço militar fiquei um bom tempo desempregado. Esse período desempregado foi importante para eu reconhecer que precisava voltar à escola. Sobre essas desgraças que caem sobre nós, mas que parecem agir como uma fênix, ou seja, nos oferece uma oportunidade de recomeço, há um artigo de Steve Jobs, criador da Apple, demitido da empresa que criou pelos acionistas, que mostra que uma dificuldade não pode ser o fim, mas o começo de uma nova etapa. Disse Jobs:

Não enxerguei isso na época, mas ser demitido da Apple foi a melhor coisa que podia ter acontecido para mim. O peso de ser bem sucedido foi substituído pela leveza de ser de novo um iniciante, com menos certezas sobre tudo. Isso me deu liberdade para começar um dos períodos mais criativos da minha vida. Durante os cinco anos seguintes, criei uma companhia chamada NeXT, outra companhia chamada Pixar e me apaixonei por uma mulher maravilhosa que se tornou minha esposa. Pixar fez o primeiro filme animado por computador,Toy Story, e é o estúdio de animação mais bem sucedido do mundo. Em uma inacreditável guinada de eventos, a Apple comprou a NeXT, eu voltei para a empresa e a tecnologia que desenvolvemos nela está no coração do atual renascimento da Apple (Jobs, 2008).

Jobs foi demitido da empresa que criou, o que poderia deprimi-lo a ponto de colocá-lo numa situação de ostracismo, mas não foi assim o que aconteceu, ele viu na desgraça acontecida, uma oportunidade para recomeçar e avançar ainda mais. Quanto a mim, estardesempregrado foi motivo de muita reflexão e questionamentos como De que maneira conseguir um bom emprego se não tenho profissão? Se não tenho profissão qualificada, como conseguir um bom emprego se não tenho escolaridade? Quando questionei sobre minha formação decidi que precisava voltar à escola. Antes de voltar à escola, passei por um núcleo do SENAI para aprendizagem sobre eletricista de manutenção e instalação. Era uma tentativa de me profissionalizar para conseguir um emprego que me proporcionasse autonomia com mais dignidade, já que o alimento, embora garantido pelos pais, era muito ‘pobre’. Para se ter uma idéia do que isto significa, meu pai comprava carne que lhe serviria para a ‘marmita’, aos que ficavam em casa, arroz e feijão e só. Nada de carne, nada de legumes. Algumas verduras raramente. Deste investimento (no SENAI) fui convidado a fazer a instalação elétrica do salão paroquial da Igreja de São Sebastião em Austin, distrito de Nova Iguaçu. Ao concluir o trabalho, fui então convidado para atuar como voluntário na campanha contra a Dengue e eu aceitei. Para meu espanto e – boa! – surpresa, esse voluntariado receberia uma bolsa de salário mínimo e meio e duraria por seis meses. Este período, já na segunda metade dos anos 1980, reforçou-me reconhecer a necessidade de uma escolaridade maior. Não que eu me mostrasse incompetente, ao contrário, sempre era chamado para uma determinada função, nisso eu via méritos em mim, mas esbarrava na baixa escolaridade. Indiferente a isso, no ano seguinte eu e outras 249 pessoas foram contratadas pela extinta Superintendência de Campanhas de Saúde Pública – SUCAM onde permanecemos até os dias atuais, não mais como SUCAM, mas como Fundação Nacional de Saúde – FUNASA.

IV – De volta à escola
O novo contrato me deu a segurança que eu precisava para voltar à escola. Para concluir o primeiro grau, voltei para o ensino supletivo numa escola pública, este sistema que acelera a formação dos que já superaram a idade escolar. Mais experimentado, já conseguia determinada sintonia com o ensino aplicado, embora percebesse ali que o processo de aceleramento deixava muitas coisas importantes escapulirem a construção do saber. Concluída a primeira etapa, ou seja, a 8ª série do primeiro grau, matriculei-me imediatamente no segundo também numa instituição pública. Não queria perder aquilo que me estimulava a continuar. Foram três anos para uma formação geral, mas com muitas falhas. Faltavam professores de biologia, física, sociologia e literatura. Algumas disciplinas eram aplicadas por professores sem o menor compromisso com a formação daqueles alunos, entre os quais eu me incluía. No primeiro ano tivemos aulas de filosofia. Particularmente me identifiquei com a disciplina e procurava participar das aulas de modo bem interativo, sentimento que não era compartilhado pelos meus colegas de turma. Sobre a turma, aliás, muito me preocupava o desinteresse deles pela aprendizagem, e talvez por isso eu não tenha conseguido articular um movimento para a melhoria das condições da escola. As carteiras eram muito ruins, algumas ficavam no canto da sala por completa inutilidade. Não raramente alguns colegas costumavam jogar as carteiras umas sobre as outras, a quebrar o ventilador de teto, e por mais que eu lhes chamasse a atenção sobre o prejuízo que estavam nos causando, eles ignoravam. O quadro negro também tinha problemas. Em parte dele já não era mais possível escrever. A iluminação também deixava a desejar. Tudo isso influenciava no processo ensino-aprendizagem. Os professores não se importavam com o desinteresse dos alunos e estes, por sua vez, aproveitavam-se da ‘ausência’ do professor para escapulir de algumas aulas e todos atribuíam ao governo as péssimas condições da escola.

Muito me preocupava o fato dos professores reproduzirem aquilo que estava pré-estabelecido no livro didático. Eu queria debater, saber a razão ou as propriedades de cada assunto que era colocado em pauta e, normalmente, os colegas me pediam para deixar o professor dar a aula dele, e o professor, por sua vez, reproduzia insistentemente o conteúdo do livro. Hoje eu consigo olhar para aquele tempo e ver que os professores, em grande número, nada sabiam para ensinar, apenas se orientavam pelo livro do professor para garantir a ‘transmissão de conteúdo’. Para mostrar que em toda regra há exceção, e neste caso eu quero dizer que a regra é a exceção, e a exceção torna-se regra, para explicar melhor, a regra era transmitir o conteúdo e não se importar com a formação dos alunos com uma práxis educativa básica, sem aprofundamento; enquanto a exceção era aprofundar as questões, debater e chamar a atenção de um e de outro para a importância do que estava sendo levado à sala de aula; então tive um professor de física que era esta exceção. Deficiente físico, provocado por uma paralisia parcial dos membros, o professor Emanuel era o mais eficiente deles. Ele não só aplicava o conteúdo como procurava mostrar empiricamente aquilo que ele estava dizendo. A meu ver ele sabia o que ensinar. Tivemos só o primeiro ano com ele e tudo o que sei sobre física devo a ele. Um outro professor, o de Inglês, era diametralmente oposto ao de física. Era o legítimo representante da ‘regra’. Como na turma havia um rapaz que cantava algumas canções em inglês, eles eram bem próximos, e com este professor Cléber, fui vítima da sua inaptidão para o exercício da práxis educativa. Quando tentava me aproximar para um aprendizado melhor, tentando balbuciar algumas palavras em inglês, o meu colega de turma e o professor Cléber riam zombeteiramente do modo como eu me colocava. Para não passar por ridículo acabei deixando de lado o falar inglês me limitando a apenas reproduzir aquilo que os exercícios pediam.

V – Universidade é um desejo, não produto de primeira necessidade
Mesmo com todas as dificuldades concluí o segundo grau. Se me perguntarem se estava pronto para ingressar na universidade passando pelo vestibular, minha resposta será um rotundo NÃO. Então fiquei por muitos anos apenas com o ensino básico. Estava conformado com o que já tinha conquistado em termos de estudos, afinal, já no serviço público federal, recebendo um salário acima da média dos salários praticados no Brasil, poderia me considerar um afortunado pela sorte. Mas na medida em que o tempo passava, e na medida em que fui percebendo o mundo em que vivemos e fazendo uma leitura mais politizada, percebendo que a capacidade ainda não é tudo, e que escolarização ainda pesa muito na escolha das melhores funções, a necessidade de avançar ainda mais na minha formação reapareceu. Daí um dilema: como enfrentar um vestibular, depois de 10 anos fora da sala de aula, competindo com os jovens que estão saindo da escola de segundo grau ou dos cursinhos de vestibulares? Sobre esse dilema eu escrevi um artigo que já fora publicado no meu blog para debater sobre cotas nas universidades. Neste artigo (Sobre Cotas na Universidade) escrevi:

Aqui precisamos discutir uma outra questão. Pobre, sendo branco ou negro, tem que trabalhar. Então, quando no nível básico ou médio, só lhes restam a Escola Pública. Esta sim, a serviço dos ricos sempre foi de baixa qualidade. Então o pobre, branco ou negro, sai da Escola Pública e vai procurar trabalho. O ensino superior é um desejo, não um produto de primeira necessidade. O trabalho vem antes da formação educacional por uma questão de sobrevivência, não de opção. Já o filho do rico estuda na escola privada, que garante bons salários e, portanto, atrai os melhores educadores. Quando terminam o ensino médio ingressam quase imediatamente num desses cursinhos pré-vestibulares intensivos. Parece até que os vestibulares das instituições superiores foram elaborados pelos donos dos cursinhos pré-vestibulares. Daí que o pobre, aquele que saiu da Escola Pública fica em enorme desvantagem em relação ao filho do rico. Então, quem ocupa as vagas nas instituições públicas de ensino superior? Os filhos dos ricos. E por isso nestas Universidades sempre tiveram os melhores profissionais. A qualidade sempre foi emblemática. E por quê? Porque ali só estudavam os filhos dos ricos. Pobres? Um ou outro talvez. Então a Universidade Pública era um espaço inacessível para pobres, negros e negras (Santos, 2008)

Quero aqui resgatar uma discussão sobre a escola, a estatal – a que chamamos de pública – e a privada, tema que já foi abordado por autores como Saviani (1986), Davis (et. Al. 2002), Neves (1994) entre outros, e que trata de uma escola dual, ou seja, uma escola para os pobres e outra para os ricos, e mesmo esta destinada aos pobres foram criadas para a égide da classe hegemônica para a qual o Estado atuou brilhantemente a favor. Assim, a classe já favorecida historicamente freqüentava a escola privada até a formação do segundo grau. Esta escola contratava os melhores profissionais em educação e investia (investe até os dias atuais) maciçamente em recursos tecnológicos avançados para atender às necessidades da sua clientela. Em favor disso, o Estado contrata professores sem exigir qualificação apropriada para o exercício da práxis educativa e cria uma escola onde não há investimento que assegure recursos apropriados para uma educação de qualidade e é a escola para onde são levados aqueles que não podem freqüentar a escola privada por falta de recursos, ou seja, os pobres. A inversão das prioridades ocorre quando, tanto os pobres quanto os ricos, terminam a escolarização média. Como as Universidades Públicas historicamente se destinam à classe hegemônica, já que funciona em turnos diurnos, exigindo do egresso tempo disponível, passam a ser freqüentadas pelos ricos já que os pobres precisam buscar o mercado de trabalho para a sobrevivência. Sem poder freqüentar as Universidades Públicas diuturnamente, os pobres são levados às Universidades Privadas que funcionam precariamente no período noturno. Davis (et. al. 2002) diz que “Nos primeiros séculos de nossa história, a educação era restrita a poucos, privilégio de minorias econômicas”. Neves aprofunda a discussão. Ela diz:

Reconhecer na escola contemporânea o papel de formadora dos intelectuais orgânicos da burguesia e do proletariado não implica o desconhecimento do fato de que historicamente os sistemas educacionais capitalistas vêm desenvolvendo mecanismos de filtragem social para garantir o acesso diferenciado aos diversos graus e ramos de ensino que terminam por privilegiar o acesso e permanência no sistema escolar dos representantes da classe dominante e de seus aliados (Neves, 1994: p.24).

Então a escola que freqüentei tinha essa característica dual. Ali onde estudei estavam os que deveriam ficar naquela formação e não mais ascender para servir de mão-de-obra desqualificada e barata para perpetuação do status quo dessa classe hegemônica. Como disse Saviani (1986) era uma escola para reproduzir a sociedade tal como ela se apresentava, e analisando a teoria de Baudelot e Establet diz que é pior ainda: essa escola deveria não só “reforçar e legitimar a marginalidade que é produzida socialmente… [mas também tem por missão] impedir o desenvolvimento da ideologia do proletariado e a luta revolucionária” (p. 27).

Finalmente o novo século me trouxe novas esperanças. Um programa do governo federal que garante bolsas de estudos para quem estudou o ensino médio em escola pública ou foi bolsista em escola privada, denominado Universidade para Todos – ProUni me garantiu retomar meus estudos. Quero deixar claro que sem este programa dificilmente teria uma formação universitária. Para mim, a universidade pública, com seu sistema seletivo e excludente de ingresso, era uma realidade inalcançável, dado o longo período fora da sala de aula. A universidade privada se tornaria alternativa se não fosse tão cara. Daí que o programa foi providencial. Fiz exame do ENEM – Exame Nacional do Ensino Médio e fiquei com uma nota bastante razoável, muito acima da média nacional. Com este resultado me inscrevi no ProUni e fui agraciado com uma bolsa integral para fazer POR OPÇÃO o curso de Pedagogia. Agora já no quarto período, posso relatar que nos três primeiros e no decurso deste quarto período fui vitima de preconceito e bullyng. Me espanta que neste nível de ensino vejo acadêmicos que freqüentam a sala de aula para assinar a pauta ou responder a chamada. Pouco se importam com o conteúdo que está sendo discutido. Quando procuro me manifestar, participando da construção do conhecimento, me pedem ‘calar a boca’. É estranho perceber que não estão entendendo e ainda assim estão mais preocupados em responder a freqüência. Dia desses um professor de Prática e Pesquisa da Educação III pediu que duas colegas de turma deixassem a sala, pois com a conversação paralela, sem nenhuma vinculação com o assunto em pauta, atrapalhavam o entendimento da questão. Outra professora já teceu comentários sobre outras colegas que entram em sala, respondem a freqüência e saem, como se o conteúdo em pauta não lhes dissessem nada a respeito.

Naturalmente ainda faltam alguns períodos para a conclusão do curso. Não me decepcionei com a escolha, mas com a qualidade daquilo que está sendo ofertado. Não à toda, Saviani (1999) teceu comentários a respeito da Mcdonaldização da educação. A Universidade Estácio de Sá leva isto ao ‘pé da letra’ como diz o ditado popular. Algumas das suas unidades estão instaladas em shoppings, dividindo espaço com lojas de roupas, calçados, lanchonetes e choperias. O argumento é que o espaço é apropriado para a convivência. Ora, não é a Universidade, por si só, um espaço apropriado para a convivência? E este espaço de convivência não acaba por desviar os alunos de seus objetivos? Bem, isso é um assunto a ser pesquisado por essa geração que está se formando nos dias atuais, mas que exige uma resposta para melhor entendimento dos destinos da educação brasileira.

VI – Temas para pesquisa educacional
Depois de discorrer sobre minha vida na escola, destacando apenas aquilo que a memória não me traiu, quero apresentar cinco temas implícitos no texto e que serviriam perfeitamente como tema de pesquisa educacional. O primeiro deles eu o apresento no primeiro parágrafo. Trata-se dos novos recursos tecnológicos e a influência deles no aprendizado dessa nova geração multimedia. Que influência esses recursos têm sobre os alunos e como os professores atuam diante da necessidade de lidar com esses instrumentos? De que maneira esses recursos podem contribuir na construção do conhecimento?

Em seguida, eu falo sobre o bullying, pois fui vitimado por este fenômeno. “O termo bullying compreende todas as formas de atitudes agressivas, intencionais e repetidas que ocorrem sem motivação evidente, adotadas por um ou mais estudantes contra outro (s), causando dor e angústia, e executadas dentro de uma relação desigual de poder (Construir Notícias, 2008 : p.5)”. Esse desvio de comportamento dentro da escola, quando não há intervenção para a superação do problema, pode ocasionar um sinistro mais grave, como o ocorrido na cidade de Taiúva, no interior de São Paulo, no início de 2003 quando um ou mais alunos foram armados para a escola e atiravam em quem estivesse à sua frente. A violência neste caso é o instrumento de superação do poder que os subjugava (idem). E nos dias atuais, como são vistos os casos debullying? Como os educadores se colocam diante de um caso debullying na sala de aula?
Um terceiro tema que considero importante, embora pouca literatura se encontra a respeito e pouco se debate sobre este tema, é a relação de poder exercida na sala de aula. Alunos de uma escola em Austin, e que já foi motivo de uma investida minha para fazer um trabalho para a disciplina de Políticas Públicas, mostravam certo temor na sala de aula. O medo do professor e da direção da escola atua de modo negativo sobre os alunos o que colabora para um desempenho pífio na construção do saber.

O quarto tema é algo que considero bastante discutido, mas que exige uma permanente discussão com o objetivo de superar esta questão. Trata-se do abandono da escola. A meu ver, é importante conhecer a fase mais aguda na criança, aquela que o leva a pensar em deixar a escola e procurar entender o motivo desestimulante para o estudo. Aqui eu destaco a importância da subjetividade, tratando ser a pesquisa qualitativa a mais apropriada para o fim desejado, pois não se trata de conhecer números de meninos ou meninas que abandonam a escola, mas de conhecer em que período na vida de uma criança isso ocorre, bem como os motivos pessoais.
Por fim, quero destacar um tema muito pertinente. Aqui quero resgatar o que disse Paulo Freire (2005) sobre estética. No terceiro período da faculdade de Pedagogia, escrevi um artigo sobre a Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire e destaquei a importância de uma escola decente para que os alunos sintam desejo de voltar no dia seguinte. Neste artigo escrevi que “ensinar exige ‘estética e ética. Decência e boniteza de mãos dadas (Freire, 2005)’. A escola precisa ser um espaço onde o educando sinta o desejo de voltar logo quando vai para casa. Deve ser um espaço de comparações, de intervenções, escolhas, de decisão. Isso é o exercício da ética, do respeito ao outro. Lugar onde correr riscos, aceitar criticamente o novo e rejeitar toda e qualquer manifestação de discriminação, reconhecendo e conhecendo as diversas identidades culturais (Santos, 2008)”. Então, um tema que considero interessante a ser tratado é sobre as condições das instituições escolares, ou seja, como estas se apresentam para os alunos.

Dos temas que apresentei destaco dois que mais me inquietam: os novos recursos tecnológicos e sua utilização na construção do conhecimento. Este tema considero importante porque há que se considerar que estamos vivendo uma era onde o conhecimento é a principal commodity para um mundo globalizado, para uma sociedade planetária. As transformações sociais ocorridas concomitantes com o desenvolvimento tecnológico exigem uma atualização da práxis educativa, por uma questão de sobrevivência. O mundo não é mais o mesmo;

O mundo que hoje surge constitui ao mesmo tempo um desafio ao mundo da educação, e uma oportunidade. É um desafio, porque o universo de conhecimentos está sendo revolucionado tão profundamente, que ninguém vai sequer perguntar à educação se ela quer se atualizar. A mudança é hoje uma questão de sobrevivência, e a contestação não virá de “autoridades”, e sim do crescente e insustentável “saco cheio” dos alunos, que diariamente comparam os excelentes filmes e reportagens científicos que surgem na televisão e nos jornais, com as mofadas apostilas e repetitivas lições da escola (Dowbor, 2001).

Ora, se o mundo está em constante mudanças, a prática pedagógica não pode ser a mesma dos tempos em que educação se resumia à sala de aula. Novas práticas precisam ser adotadas no sentido de responder as expectativas de todos e todas e de cada um em particular. Quando realizei uma palestra na Escola Estadual São Cristóvão, em Queimados/RJ, fiquei escandalizado ao ver que 6 computadores estavam empacotados na sala da direção sem utilidade alguma. O professor que me levou à escola ficou entusiasmado com os recursos que utilizei para ministrar a palestra sobre Síndrome de Asperger. Ali percebi o quanto esses professores precisam de atualização, pois estão distantes da realidade dos alunos. E o que é pior. Os recursos estavam lá, mas não eram utilizados. Além disso, é preciso dar uma resposta sobre o quanto estes recursos influenciam no aprendizado dos alunos e alunas, daí que considero este tema importante para uma pesquisa mais amiúde.

O segundo tema que destaco se refere às condições do ambiente escolar, ou seja, como as instituições se apresentam para os alunos e o quanto isso interfere, para o bem ou para o mau, no aprendizado dos alunos e alunas. Esta inquietação me ocorreu quando realizei uma palestra no CIEP Gilson Amado, em Engenheiro Pedreira, na cidade de Japeri/RJ. A escola realizava um evento de Culminância de Geografia e fui convidado a fazer uma palestra sobre a cidade de Japeri. Durante a palestra, mostrei em imagens duas cidades representadas por dois bairros específicos. A cidade de Japeri, através do bairro Engenheiro Pedreira e a Cidade de Curitiba, representada pelo Centro de Curitiba. Quando interrogados sobre qual cidade eles gostariam de viver, a totalidade apontou Curitiba. Duas outras imagens foram mostradas. De uma escola pública da Zona Norte e outra da Zona Oeste, ambas no Rio de Janeiro. Quando interrogados sobre qual delas gostariam de estudar, a totalidade dos alunos apontou para a escola que se mostrava melhor cuidada. Instigados a dizer o motivo, falaram da auto-estima, de orgulho e prazer de estar lá. Desde então me ocorre esta inquietação: será que as condições escolares não desestimulam o alunado voltar para a escola?

VII – Conclusão
Neste texto eu comecei resgatando outro anteriormente escrito por mim para mostrar que esta ‘garotada’ nova que ingressa na escola nos dias atuais nasceu em ‘berço multimedia’. Essa cultura que emerge das novas tecnologias são levadas para a escola, por isso destaquei sendo este um tema de relevância para uma pesquisa educacional. Em seguida começo a dissertar sobre minha trajetória escolar. Muitas coisas ficaram sem ser citadas, pois a memória não me permitiu um resgate com fidelidade da ocorrência dos fatos. Mas algumas coisas no histórico de vida de cada um de nós marcam tão profundamente que jamais são esquecidas. Foi o caso de ter que freqüentar a escola com os pés descalços e das zombarias que tive que suportar. Foi também o caso da professora que me castigava porque eu não fazia as lições, mas ficava desenhando ao invés de fazer o dever, bem como as corridas para fugir dos inspetores de disciplina que saiam em busca dos ‘gazeteiros’.

Mostrei neste texto que fora da escola também se aprende. Assim, a escola não pode fingir que os alunos e alunas não trazem consigo algum saber que são constituídos na prática comunitária. Saberes que Paulo Freire disse ser necessário aproveitá-los em benefício da construção do conhecimento. Mostrei também que se (estes saberes) forem ignorados pela escola pode ocasionar desestímulo levando o aluno/a a abandonar os estudos. Relato que a necessidade de me colocar devidamente no mercado de trabalho me fez retomar os estudos e que, felizmente, e por conta de um programa social do governo federal, chego à universidade para fazer um curso de Pedagogia, repito, por opção. Em cada etapa escolar procuro resgatar alguns fatos que marcaram essa etapa de minha vida e concluo destacando aquilo que considero importante como tema de pesquisa educacional.

VIII – Bibliografia
Althusser, Louis: Aparelhos Ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado (AIE). Tradução de Walter José Evangelista e Maria Laura Viveiros de Castro: Rio de Janeiro : Edições Graal, 1985, 2ª edição.

Construir Notícias. O Fenômeno Bullying nas Relações Interpessoais. Revista Construir Notícias, n° 40, ano 07, maio/junho de 2008.

Dowbor, Ladislau. Tecnologias do conhecimento: os desafios da educação. Disponível em http://br.monografias.com/trabalhos903/tecnologias-conhecimento-educacao/tecnologias-conhecimento-educacao.shtml

Galbraith, John Kenneth. Anatomia do Poder. 4ª ed. (Coleção novos umbrais) Tradução de Hilário Torloni. São Paulo: Pioneira, 1999

FREIRE. Paulo. Pedagogia da Autonomia [saberes necessários à prática do educando] Rio de Janeiro. DP&A, 2005.

Jobs, Steve. Você tem que encontrar o que você ama. Disponível emhttp://vocesa.abril.com.br/evolucao/aberto/ar_80039.shtml acessado em 27 de agosto 2008: 11:00h.

Neves, Lúcia Maria Wanderley. Educação e Política no Brasil de Hoje. São Paulo : Cortez, 1994 (Coleção questões da nossa época v. 36)

Penin, Sonia T. Souza; Vieira, Sofia Lerche. In Davis, Claudia (et. al.). Gestão da Escola: desafios a enfrentar. Vieira, Sofia Lerche (org.) Rio de Janeiro: DP&A, 2002.


Comunicação e Informação: jornalista diplomado tem que ser diferente

Publicado em pedagogosdofuturo.blogspot.com em 10/10/2008 | Artigo de Rildo Ferreira

I – Este Texto

A partir de um e-mail recebido do Portal Brasileiro de Filosofia, que critica a declaração do ministro Fernando Haddad sobre discutir diretrizes curriculares dos cursos de Comunicação Social, em especial o de jornalismo, e a possibilidade de criar cursos de especialização em jornalismo para que formados em outras áreas também possam exercer a profissão, e-mail que foi encaminhado para uma estudante de jornalismo e que provocou um debate interessante sobre a importância do diploma para o exercício da profissão de jornalismo. Para aprofundar o debate, fomos à origem do imbróglio: a reportagem com parte da declaração do ministro. Analisando a declaração concluí que a interpretação constante no e-mail tem um cunho ideológico e criticista. Aprofundo minha investigação para reforçar ou refutar meu conceito filosófico sobre o que vem a ser jornalismo e da necessidade do diploma para a prática da profissão dentro do contexto da sociedade do conhecimento e dos modernos recursos tecnológicos. Uma indagação surge dentro desta busca: o que é isto, o jornalismo? Esta inquietação reforça a idéia de que jornalismo tem a ver com tomada de posição em favor das forças hegemônicas ou por romper com elas. Tem a ver com transformação ou a manutenção do atual estado de coisas dentro das relações de forças, o que exige cientificidade específica. Eis o que diferencia o jornalista diplomado pela academia dos outros profissionais que praticam jornalismo.

__________________________________________________
Palavras Chave: jornalismo, comunicação e informação, diploma, sociedade.

II – Introdução

As crianças travessas, daquelas bem bagunceiras, são exímias comunicadoras. E elas fazem comunicação de uma forma bastante ideológica, pois se trata de uma escolha entre a verdade que resulta no castigo, ou no escamotear da verdade para fugir do castigo. Ao seu jeito, ainda na mais tenra idade, uma criança consegue narrar com requintes de detalhe sobre um fato acontecido e, comunicando-se desta forma produz uma informação verossímil.

As pessoas no dia-a-dia praticam a comunicação e a informação muito naturalmente. Tanto assim que, diante de um sinistro que presenciam, saem do local onde aconteceu o sinistro comunicando e informando detalhadamente o ocorrido. Posso sugerir que esta é uma forma primitiva, mas muito original de praticar jornalismo ainda que sua informação não seja comunicada através de jornal, rádio, televisão ou internet, pois, a partir de um indivíduo, muitos outros se orientam por meio dela. Na forma primitiva, este processo se ramifica e cada um que ouviu tenta reproduzir com fidelidade a informação recebida. Quem pode calar a boca das pessoas a ponto de impedi-las de praticar este tipo de jornalismo? Mesmo no período da repressão, onde a censura era uma prática comum dos órgãos repressivos, só se calavam as pessoas que queriam comunicar e informar encarcerando-as ou eliminando-as definitivamente.

Ora, nos dias contemporâneos, tempo em que se vive a sociedade do conhecimento, e desde o início da revolução tecnológica, os processos de comunicação e informação ficaram naturalmente mais democráticos. Se cada um, e todos e todas podem praticar jornalismo sem ser jornalista formado/a na academia, para que serve o diploma universitário de jornalismo? Esta questão abre um debate acerca do papel do jornalismo e da práxis jornalística, apontando para uma relação dialética com vistas a uma intervenção nas questões sociais.

Este texto se propõe a dialogar sobre a necessidade do diploma de jornalista para a prática do jornalismo. Eu me debrucei sobre a questão a partir de um comentário que recebi do Portal Brasileiro de Filosofia, em nome de Paulo Ghiraldelli Júnior, que se denomina filósofo de São Paulo. Nele Ghiraldelli comenta uma manifestação do ministro da educação Fernando Haddad que teria dito no dia 18 de setembro de 2008, numa entrevista à Empresa Brasil de Comunicação (EBC) que “criará uma comissão para discutir as diretrizes curriculares dos cursos de comunicação social, em especial o de jornalismo” (Cieglinski, 2008: Agência Brasil).

Antes de seguir adiante na questão, preciso informar aos meus leitores que não sou jornalista, não estudo jornalismo e não tenho ainda o curso superior. Na verdade, sou estudante de Pedagogia num curso noturno graças a uma bolsa do ProUni, um programa do governo federal que oferece bolsas de estudos no ensino superior para quem estudou o ensino médio em escola pública ou foi bolsista em escola particular, programa que Ghiraldelli usa para descerrar seu preconceito e sua posição ideológica de manutenção da sociedade desigual quando afirma “… como em princípio quem faz um curso superior sabe escrever (eu disse “em princípio”, pois não posso dizer “efetivamente”, dado o Prouni e outras facilitações brasileiras arrumadas pelo PT e outros arautos do populismo)…” como sendo todos nós bolsistas do ProUni incapazes e não aptos para ingressar no curso superior.

Este texto começa por analisar a entrevista que o ministro concedeu à Empresa Brasil de Comunicação (EBC) a partir da reportagem de Amanda Cieglisnki. Em seguida, vamos analisar outras opiniões acerca do tema, abordando ao mesmo tempo o significado de jornalismo como espaço público e como processo, e também avaliar como o jornalismo está sendo praticado nas grandes mídias abrindo uma discussão sobre o papel social de quem pratica jornalismo enquanto profissão.

Eu vou concluir expressando minha posição sobre este assunto. Não posso eximir-me desta condição considerando que foi exatamente isto que me trouxe a esta dissertativa. Não espero elogios, ao contrário, quero provocar um debate acerca da práxis jornalística com o intuito claro de influenciar na posição dos futuros jornalistas que farão comunicação e informação para uma geração que emerge em meio aos instrumentos tecnológicos bastante interativos, cuja capacidade de fruição e reflexão do conteúdo midiático está muito além do nosso conhecimento. Se ao final do debate surgir questionamentos e inquietações acerca do que é o jornalismo, fazendo com que todos e todas que se interessam pelo tema expressem suas opiniões de maneira a esclarecer o assunto, aí sim teremos alcançado o objetivo fim.

III – O que provocou esse debate

o estudante do curso de Pedagogia (como já o disse, graças ao ProUni, para desespero do Ghiraldelli), fiz uma disciplina denominada Filosofia da Educação. Neste período tive contato com a literatura de autoria de Paulo Ghiraldelli Júnior. Certo dia, pesquisando sobre o Programa de Desenvolvimento da Educação do governo federal, encontrei um artigo publicado no jornal Estado de São Paulo assinado por Ghiraldelli. Neste artigo ele faz uma dura crítica ao PDE. Com uma posição diferente dele, fiz uma crítica à crítica dele e publiquei no meu blog (acessível em pedagogosdofuturo.blogspot.com/2007/12/o-mec-no-pra-de-errar-por-rildo.html#links). Como um sujeito democrático e buscando ser honesto, enviei um e-mail ao Ghiraldelli lhe comunicando sobre o artigo. Eis que o filósofo de São Paulo, como gosta de se denominar, me responde com ofensas. Posso garantir que burro foi a única publicável. Não me contive e repliquei. Novamente, novos insultos, mas desta vez com um convite para participar do grupo do Portal Brasileiro de Filosofia. Eu aceitei!

Como membro do grupo, recebo vários e-mails com os mais variados assuntos. Maioria deles eu os ignoro, pois nada dizem de importante. Mas recebi um que me chamou a atenção pelo seu título jornalista sem diploma, e pela discriminação explícita no seu conteúdo. Vale a pena reproduzir o parágrafo para uma apreciação de todos e todas. Disse ele:

Na prática o que Fernando Haddad pensa sobre o jornalismo pode ser mais ou menos isso: ser jornalista é saber escrever e, então, como em princípio quem faz um curso superior sabe escrever (eu disse “em princípio”, pois não posso dizer “efetivamente”, dado o Prouni e outras facilitações brasileiras arrumadas pelo PT e outros arautos do populismo), para que devemos ter qualquer “reserva de mercado” para tal profissão? (Ghiraldelli, 2008: e-mail de grupo)

O estranho é que no site do Portal Brasileiro de Filosofia (PBF) Ghiraldelli não faz uso do termo discriminatório quando reescreve o artigo rearranjando com o título O Jornalista Sem Escola de Jornalismo (Ghiraldelli, 2008: internet). Por que será? Talvez ele não queira mostrar sua verdadeira face para os milhares de universitários bolsistas do ProUni que em determinado momento farão uso de uma ou mais obras de sua autoria. Mas isto não vem ao caso aqui. Então vamos voltar ao assunto e dizer que este e-mail (o que recebi do PBF) foi reenviado para uma estudante de jornalismo que já praticava jornalismo sem passar pela academia. Daí o debate tomou um determinado corpo aguçando minha curiosidade para conhecer mais sobre a matéria.

Então adotei a seguinte metodologia: primeiro é preciso conhecer o teor das declarações do ministro. Não foi encontrado nenhum registro integral da entrevista dada pelo ministro Haddad à Empresa Brasil de Comunicações. A matéria startante deste imbróglio é de autoria de Cieglinski da Agência Brasil, e que vou comentar no tópico seguinte. Depois fui procurar artigos, teses e literatura pertinentes ao jornalismo, não só para entendê-lo enquanto ciência, mas para compreender sua práxis e sua função científica. Vamos adiante ao assunto passando agora à matéria da jornalista Cieglinski e entender o que de fato disse o ministro Haddad.

IV – O ministro e a profissão do jornalista

Cieglinski, repórter da Agência Brasil, em matéria disponível na internet escreve: “… O ministro da Educação, Fernando Haddad, disse hoje (18), em entrevista à Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que criará uma comissão para discutir as diretrizes curriculares dos cursos de comunicação social, em especial o de jornalismo… Entre os possíveis assuntos que serão debatidos pela comissão está a possibilidade de criar cursos de especialização em jornalismo para que formados em outras áreas também possam exercer a profissão”.

Haddad

Fernando Haddad, Ministro da Educação – foto extraída da matéria da Agência Brasil

Nas palavras do ministro na entrevista ele propõe uma discussão para ver quais diretrizes e quais competências são necessárias para que um profissional não jornalista possa exercer jornalismo. Nesta entrevista, não há uma posição do ministro em ser favor ou contra o diploma para o exercício da profissão. O que foi dito, é preciso reforçar, é que a posição do ministro é “… que é um bom momento para discutir essas diretrizes e verificar inclusive quais são as competências que precisam ser adquiridas por um profissional de outra área para que ele possa exercer a profissão de jornalista” (Ceglinski, 2008: Agência Brasil).

Ivana Bentes, doutora em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, diretora da Escola de Comunicação, concede entrevista para a Revista on-line do Instituto Humanitas Unisinos onde declara:

… surge uma argumentação contrária, afirmando que isso é fazer o jogo das empresas. Vejamos que as empresas já burlam o diploma de todas as formas, como os colunistas. Sempre peço aos meus alunos para analisarem qual é o maior salário das redações e o resultado é sempre o mesmo: os colunistas. Quantos deles são formados em jornalismo? Quase nenhum! Os cronistas, os editores, os colunistas, isto é, os cargos mais nobres da redação são ocupados, geralmente, por não jornalistas. E isso há décadas! Eu considero muito saudável o fato de que sociólogos, antropólogos, filósofos, economistas e artistas escrevam nos jornais. O jornalista não tem mais aquele perfil fechado. Se a exigência do diploma acabasse amanhã, os cursos de comunicação continuariam iguais. Os cursos que fazem a diferença dentro da formação desse profissional continuam formando profissionais de qualidade. O que muda e o que acaba são os cursos que realmente vendiam apenas o diploma.

Vamos analisar esta última frase do ministro Haddad – quando ele diz “… verificar inclusive quais são as competências que precisam ser adquiridas por um profissional de outra área para que ele possa exercer a profissão de jornalista” e compará-la com a afirmação de Bentes. A doutora diz que há sociólogos, antropólogos, filósofos, economistas e artistas que escrevem para os jornais. Embora ela não seja contrária a participação deles, inclusive considerando-os saudáveis para a comunicação e a informação ela questiona: quantos deles são formados em jornalismo? E o que disse o ministro senão verificar quais as competências necessárias para que, com uma formação complementar, eles possam continuar fazendo o que já fazem sem serem jornalistas. Essa informação está no artigo de Ceglinski. Vejamos:

Para o ministro, o aprofundamento do debate pode implicar em melhoria da qualidade do exercício profissional. “A comissão discutirá isso, sem prazo determinado, para que o MEC tenha um posicionamento oficial sobre o assunto [obrigatoriedade do diploma para exercício da profissão]. Mas essa [a formação complementar] é uma possibilidade. Um médico, por exemplo, pode fazer uma pós em comunicação para cobrir os assuntos de saúde, ou um pedagogo para cobrir educação”, comparou ([grifos da autora] Ceglisnki, 2008: Agência Brasil).

Ora, a minha compreensão é a de que o ministro pensa que para que estes graduados não jornalistas possam continuar a praticar o jornalismo que praticam, precisarão de uma pós-graduação com disciplinas pertinentes ao jornalismo, nos moldes aplicados na educação, quando um psicólogo, antropólogo, biólogo, sociólogo deseja ser um educador, precisa fazer algumas disciplinas pertinentes para a licenciatura. Obviamente precisamos de mais elementos do pensamento do próprio ministro para ter um entendimento claro sobre o que ele pensa desse assunto, de qualquer maneira, este parágrafo mostra que o MEC ainda não tem uma posição formada e que esta comissão é que pode oferecer os subsídios necessários para uma posição oficial sobre o assunto.

Digamos que o Ghiraldelli esteja certo na sua interpretação e eu esteja errado na minha. Digamos, também, que a proposta do ministro seja esta, a de oportunizar que qualquer um que tenha curso superior possa exercer a profissão de jornalista sem que tenha cursado a academia com esta finalidade. Digamos que a compreensão comum é a de que isto é um erro e que não pode ser aceito de maneira nenhuma e que, para ser jornalista o sujeito tenha que passar pela academia com esta finalidade. Não temos, então, alguns questionamentos a serem respondidos? Vejamos: quem exerce a profissão de jornalista e não possui o diploma, o que será feito desse povo? E esses impressos independentes que são produzidos com característica de jornal, serão proibidos de circular? E os milhares de indivíduos que atuam nessa enormidade de rádios comunitárias espalhadas pelo país, trabalhadores que não possuem diploma de jornalista, o que será feito deles? Será possível impedir que uma pessoa publique uma matéria na internet, na sua revista eletrônica, no seu blog, no seu jornal eletrônico, na sua rádio virtual?

Eu acredito na possibilidade da democratização da comunicação e da informação. A Constituição Federal garantiu às brasileiras e brasileiros o direito de comunicação, de informação, de expressão cultural, independente de censura ou licença. Está expresso no seu Art. 5º. Nos seus respectivos incisos:
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:


IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

(Constituição Federal, 1988 [grifo meu])

Dada essa condição constitucional, vamos pensar agora numa característica desta sociedade e desta nova geração que nasce em meio aos revolucionários recursos tecnológicos. Vivemos a era do conhecimento, onde o capital principal é o intelectual, exigindo dos trabalhadores uma capacidade de tomar iniciativas, estar informado e atualizado, ser capaz de se comunicar com desenvoltura e de ser inovador. Esta sociedade é produto da chamada terceira revolução, a revolução tecnológica. Com o barateamento e a conseqüente popularização desses instrumentos, com muito pouco recurso financeiro qualquer pessoa pode produzir o seu próprio jornal (Kucinski, 2003). E quem poderá impedir alguém de se comunicar sem correr o risco de censura e de violação dos direitos constitucionais do cidadão?

Os defensores do diploma para o exercício da profissão de jornalista deveriam estar preocupados com outra questão: a da razão filosófica de ser do jornalista. Esta razão é muito mais do que ter a garantia de emprego por ter um diploma na mão. Aliás, diploma não é garantia de absolutamente nada. Tem muito diplomado por aí concorrendo a um emprego público com salário de pouco mais de 600 reais por mês. E por quê? Porque não são competentes. Não adquiriram a competência necessária na academia para exercer a profissão escolhida. Então a gente precisa se debruçar sobre o que vem a ser jornalismo pra buscar a essência desta profissão. E pra quê buscar esta essência? Pra ser diferente e não ficar preocupado com os milhares de homens e mulheres que exercem a profissão sem diploma. Se estes que não possuem diploma ocupam o lugar de quem possui, alguma coisa está errada, e está errada por inabilidade, incompetência dos diplomados que não ocupam o seu espaço. E o que é interessante observar é que o corporativismo não tem conseguido impedir isso (Bentes, internet).

Cassiano Elek Machado, jornalista da Folha de São Paulo, escreveu um artigo em 2002 com o título “a universidade é só o começo” e traz no seu primeiro parágrafo uma interessante observação que desejo reproduzi-la a todos.

Na última década, a universidade viveu uma espécie de milagre da multiplicação dos diplomas. O número de graduados cresceu de 225 mil no final dos anos 80 para 325 mil no levantamento mais recente do Ministério da Educação, em 2000. A entrada no mercado de trabalho desse contingente, porém, não vem sendo propriamente triunfal como uma festa de formatura. Engenheiros e educadores, professores e administradores, escritores e sobretudo empresários, têm sussurrado uma frase nos ouvidos dessas centenas de milhares de novos graduados: “O diploma está nu” (Machado, 2002).

Machado destaca no texto a expressão “o diploma está nu”. Por qual motivo? Notem que o autor diz que o mercado não absorveu o contingente de graduados na mesma proporção da formatura. E de lá (2002) aos dias atuais, quantos graduados mais foram lançados como oferta no mercado sem que este tivesse condições de absorvê-los? E o diploma foi garantia de emprego? A resposta é simples. Não. E o que é pior, é que os piores desse contingente passaram a disputar emprego de nível médio ou se colocando a disposição com salários aviltantes, o que passou a colocar em xeque o emprego e o salário dos melhores.

Nesse mesmo artigo ele cita o autodidata Evaldo Cabral de Mello para dizer “O importante é ter formação, que não é necessariamente universitária”. Ora, se recorrermos ao artigo da doutora Bentes (internet) perceberemos que as empresas de comunicação preferem aqueles que são formados e bem informados aos jornalistas diplomados que deixam a desejar quando avaliados empiricamente. Talvez por isso os alunos da doutora identifiquem melhores salários para aqueles que não possuem diploma de jornalista. Com efeito, senhoras e senhores; o problema da empregabilidade não está no diploma, mas na formação. Diploma e corporativismo não vão garantir emprego nos dias atuais (Pastore, 2000). Daí que eu insisto que o jornalista que passa pela academia precisa ser diferente. Ele possui a cientificidade pertinente para uma práxis diferenciada. Uma práxis que pode interferir no que está posto na sociedade, na comunicabilidade. No meu entender, jornalista tem uma função social e seu trabalho precisa estar atento a isto, ainda que as empresas de comunicação operem contra uma mudança substancial na sociedade preservando o status quo da classe hegemônica, é papel do jornalista estar lá investigando a causalidade do fato, reportando com verossimilidade provocando uma transformação no contexto social.

V – O que é isto, o jornalismo?

Para levar adiante este diálogo vamos precisar esclarecer o vem a ser jornalismo (estou falando do meu ponto de vista sendo factível aos leitores uma interpretação diferenciada). E para esclarecer o que penso do assunto, vou recorrer a outro doutor em comunicação social. Trata-se de Carlos Chaparro, que a meu ver, tem uma definição bastante esclarecedora sobre o que é jornalismo. Um vídeo disponível no You Tube, acessível a qualquer um que queira investigar, foi transcrito por mim, e aí me permiti corrigir para a escrita aquilo que o doutor Chaparro diz oralmente, para ilustrar este diálogo. Disse Chaparro:

O jornalismo não é o jornal. O que se joga no lixo é o jornal, mas o jornalismo tem a ver com a vida. Porquê? Porque aquilo que é noticia só é noticia porque tem algum potencial de transformar a realidade. Então o jornalismo não lida com o efêmero. Jornalismo lida com a transformação. As noticias de amanhã elas refletirão os efeitos das notícias de hoje. Portanto o jornalismo está enraizado como ferramenta essencial no contexto da vida, no contexto da realidade, no contexto da construção do presente (Chaparro, transcrição de vídeo, disponível na internet).

Transformar a realidade é, a meu ver, interferir nela. Como isso pode ocorrer? Ora, vamos recordar o jornalista Tim Lopes, barbaramente assassinado no topo da Favela da Grota, no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro. O que fazia Tim Lopes na favela? Uma reportagem é claro, mas não uma reportagem que apenas narrasse o fato, mas uma que mostrasse a causalidade e a conseqüência do fato. Tim Lopes tentava mostrar que onde o Estado não atua, o crime se instala, se organiza, e toma conta de tudo. Ali onde o Estado está ausente, impera a Lei do crime. Meninos de 10, 12 anos andam fortemente armado com escopeta, fuzil, pistola; entorpecentes são comercializados como se fossem guloseimas infantis; quem comete um ato que viola a lei do crime, ali mesmo é julgado e, se condenado, fuzilado como sentença última.

Ao tentar interferir na realidade o jornalista pratica o jornalismo na sua essência, ou seja, ele procura com a narração do fato conhecer a causalidade para produzir um efeito transformador da realidade. Para esclarecer melhor o que estou dizendo vamos analisar as matérias publicadas nos jornais O DIA on-line e Zero Hora on-line em 01/10/2008:

Acidente entre carro e motocicleta deixa um ferido em Botafogo
Bartolomeu Brito

Rio – Um Celta branco, placa LQH 1849, colidiu com uma motocicleta Zuzuki preta, placa MJR 0007, na Rua general Polidoro, em frente ao nº 15, em Botafogo.
O motociclista, Caio de Melo, 47 anos, caiu da moto e sofreu ferimentos leves. Foi socorrido por uma ambulância do Corpo de Bombeiros e levado para o Hospital Miguel Couto (O Dia on-line, 01/10/2008).

Acidente em Farroupilha deixa quatro pessoas gravemente feridas

Caminhão e Uno colidiram próximo ao Posto Cavalleri, no km 109 da RSC-453
Um acidente entre um caminhão furgão e um Uno, às 9h50min, próximo ao Posto Cavalleri, no km 109 da RSC-453, em Farroupilha, deixou os quatro ocupantes do carro gravemente feridos. O motorista do caminhão saiu ileso, e seu ajudante teve escoriações leves. As vítimas foram socorridas pelo Corpo de Bombeiros e encaminhadas ao Hospital São Carlos, no município.

O caminhão, da empresa Divibom, distribuidora de sorvetes Kibon, seguia no sentido Farroupilha-Garibaldi. O Uno da empresa Acquasul, de Nova Prata, vinha no (sic) mão oposta (Zero Hora on-line, 01/10/08).

Com efeito! O que os jornalistas produziram com as respectivas matérias? Onde estão as causas das tragédias? Quais objetivos os jornalistas tinham quando pensaram em produzir tais artigos? Se nada tem de objetivo, a matéria não passa de uma ação de um comunicólogo. Jornalismo é mais que isso. Jornalismo procura conhecer a causa para transformar a realidade. Vejamos: se nas mesmas matérias os jornalistas se preocupassem em verificar quais foram os motivos que provocaram os acidentes ouvindo outros atores como os que vivem próximo dos locais dos acidentes, outros motoristas que trafegam diariamente pelas respectivas estradas, procurassem conhecer as condições da sinalização, do asfalto, da visibilidade etc., procurando mostrar além dos feridos nos acidentes e dos nomes deles (aliás, a matéria do jornal Zero Hora sequer identifica os feridos), não estariam os jornalistas provocando uma inquietação no Poder Público para tomar as medidas cabíveis para evitar novos acidentes? É disto que estamos falando. Jornalista que narra fatos não é jornalista. É comunicólogo. Para isto ele não precisa do diploma da academia. Para isto qualquer um que fale com desenvoltura, que saiba ler corretamente e tenha boa locução ou saiba escrever corretamente serve.

Voltemos a dialogar com o doutor Chaparro. No mesmo vídeo (repito: transcrevi com algumas correções) ele se refere ao jornalismo como um processo capaz de transformações sociais. Vale a pena transcrever o diálogo aqui para melhor compreensão.

O jornalismo é uma linguagem com características muito particulares, com uma vocação muito particular para levar à sociedade relatos, comentários, que possam ser acreditados. O jornalismo é um processo, porque na medida em que as notícias de hoje projeta os acontecimentos que amanhã serão noticiados, projetam, isto é, motivos, acontecimentos que amanhã serão noticiados, então há aí uma dinâmica que tem a ver com os próprios processos sociais. E o jornalismo cumpre um papel muito importante dentro dos processos sociais. E o próprio, nos seus mecanismos, na sua lógica, ele se constitui um processo (Chaparro, internet).

Ele, o jornalismo, cumpre um papel importante dentro dos processos sociais porque ele próprio é um processo contributivo nas transformações sociais. O que será notícia amanhã é um reflexo daquilo que será noticiado hoje, ou seja, se a notícia de hoje não mobilizou, não impactou, não inquietou, não provocou mudanças, amanhã ela será a reprise daquilo que já foi noticiado. É uma matéria requentada: mudam-se as palavras, mas o conteúdo é o mesmo. Já quando ocorre o contrário, quando mobiliza, inquieta e provoca mudanças, a notícia amanhã será outra, talvez ainda das mudanças que ocorrem ao mesmo tempo ou da própria mudança já concreta.

A estudante de jornalismo citada no início deste texto, como já me referi, praticou jornalismo por muito tempo sem ser jornalista formada na academia (quero exaltar sua grande capacidade produtiva e afirmar que sua formação se deu na prática). Fui testemunha de que muitas reportagens produzidas por ela foram transcritas nos jornais da região sem que o/a jornalista responsável pela publicação se desse ao trabalho de alguns telefonemas, algumas horas investigando, procurando conhecer o “outro lado da moeda”. Não que a matéria não fosse digna de crédito, mas é imprescindível que o jornalista não tenha apenas uma versão. Não há aqui nenhuma conjetura da teoria da imparcialidade. Muito já se tem falado que não há imparcialidade em jornalismo e eu comungo desta opinião, mas há o que é de fato de diferente num jornalista. Investigar é fundamental para a credibilidade do que ele publica, ou noticia no rádio ou na televisão. Para fazer essa garimpagem de notícias que lhes chegam por e-mail sem se dar ao trabalho da verificação, não é necessário o diploma da academia. É aqui que eu considero que, se é para interpretar um texto bem redigido, com as preocupações pertinentes da redação, a meu ver, ficaria melhor o posto para um lingüista ou um professor de língua portuguesa.

V.i. – Uma abordagem esportiva

Ora, certamente alguns estão se perguntando sobre no que um jornalista esportivo pode intervir, por exemplo. Estamos tão acostumados a ouvir a fatídica pergunta “qual a sua expectativa para este jogo?” que não nos damos conta do que acontece na margem periférica de uma partida de futebol. Vamos tomar como exemplo um jogo envolvendo duas equipes rivais de um Estado, poderia ser São Paulo e Corínthians; Atlético Mineiro e Cruzeiro; Grêmio e Internacional; mas vou ficar aqui no Rio (de onde escrevo este texto) e citar Vasco e Flamengo. Quantos ingressos falsificados são vendidos por cambistas nas proximidades das bilheterias do Maracanã? Porque as filas continuam quilométricas nas bilheterias com as tradicionais confusões, empurra-empurra etc.? Porque o estádio não tem uma praça de alimentação adequada para os visitantes? Você consegue se sentar no vaso sanitário dos banheiros do Estádio? Vejam quantas coisas conseguimos identificar neste pequeno espaço de tempo e espaço das quais o jornalista pode ter como objetivo influir. Mas o jornalista mal-formado, aquele que se preocupou apenas com o diploma da academia, está preocupado somente com a partida como fim em si mesma.

A notícia produzida com cientificidade por um jornalista capacitado tem um objetivo maior que é o de transformar uma realidade. Ela precisa ser inquietante, impactante, deixar alguém preocupado com o movimento que se dá a partir dela. Não deve ser sensacionalista, aquela notícia que fala de uma tragédia como se estivesse num grande teatro e que tudo isso é um show a ser noticiado. Quando se noticia uma tragédia, a notícia deve possuir caráter revelador, questionador, mobilizador. Quando noticiaram a morte do jornalista Tim Lopes provocou uma mobilização social em defesa do estado de direito; mobilização pela paz e pela vida. A notícia provocou uma mobilização que deixou o Estado inquieto. Tanto assim que o mentor intelectual da barbárie não demorou a ser preso. Quem, além do jornalista que passa pela academia, será capaz de fazer do jornalismo uma ciência social transformadora?

VI – Por que é impossível impedir a prática do jornalismo sem diploma?

Este tópico tem uma pergunta como título. A resposta é uma subjetividade deste autor. Para respondê-la precisamos conhecer melhor a sociedade em que vivemos. Como já citado acima, a Constituição Brasileira democratizou o fazer comunicação e informação, a cultura e o saber. Isso é um direito subjetivo e inalienável. Kucinski (internet) se reporta aos processos tecnológicos como um avanço na democratização da informação e da comunicação. Disse ele:

Quanto à outra revolução tecnológica, a da comunicação, a considero, certamente, libertária. Chamo a atenção para alguns aspectos dessa revolução que reforçam essa minha tese. O primeiro é o barateamento dos processos, dos produtos, dos equipamentos. Hoje com 3.000 ou 4.000 reais uma pessoa produz um jornal sozinha; libertou-se do capital. Ao contrário do que se possa imaginar, esse barateamento nos devolveu a autonomia intelectual e o domínio relativo da produção intelectual. Nesse sentido, a atual revolução tecnológica vai na direção oposta da Revolução Industrial do século XVIII, que criou a máquina, destruindo o artesão e fazendo cada trabalhador depender de um capitalista possuidor dos bens de produção (Kucinski, 2003).

Isso significa dizer que se antes a comunicação e a informação era privilégio de grupos agora já não é mais. É o mesmo que dizer que todos os que têm acesso à internet pode ser comunicado e comunicar, informado e informar, e isto sem ser necessário censura ou licença, preceito garantido na Constituição Federal desde 1988. Com efeito, qualquer pessoa que domina os modernos recursos tecnológicos pode praticar comunicação e informação mesmo não sendo jornalista formado na academia, como afirma Moran (2006):

A internet está explodindo como a mídia mais promissora desde a implantação da televisão. É a mídia mais aberta, descentralizada e, por isso mesmo, mais ameaçadora para os grupos políticos e econômicos hegemônicos. Aumenta o número de pessoas ou grupos que criam, na internet, suas próprias revistas, emissoras de rádio ou de televisão, sem pedir licença ao Estado ou estar vinculados a setores econômicos tradicionais. Cada um pode dizer nela o que quer, conversar com quem desejar, oferecer os serviços que considerar convenientes. Como resultado, começamos a assistir as tentativas de controlá-la de forma clara ou sutil (p. 9).

O jornalista que passa pela academia tem uma função social, me desculpem pela insistência na abordagem. Esta é a diferença marcante entre aquele que faz comunicação e informação com diploma para o que faz a mesma coisa, mas não possui o diploma. Isso quer dizer que o jornalista com academia tem uma tarefa de intervir no que está colocado na sociedade. Intervir significa tomar uma posição, ser ideológico. Não existe comunicação e informação imparcial. Então, fazer comunicação e informação qualquer um faz, e para isto não é necessário o diploma da academia, mas fazer comunicação e informação com o intuito de mudar as coisas, de promoção da verdade, com vistas a reduzir as desigualdades e as injustiças é que faz a diferença no comunicar e no informar. Esta intervenção, no entanto, exige uma cientificidade que não é dada ao que faz pelo ativismo, fazer por protesto, para usufruir do seu direito de se comunicar. Esta cientificidade é construída e apreendida na academia e é aqui o cerne da questão, o diferencial. Cientificidade aferida pelo diploma.

Jornalista que assenta a bunda numa cadeira almofadada e liga o computador, entra na internet, abre o e-mail e fica filtrando informações produzidas por assessores de imprensa sem investigá-la, é parte dos milhares de homens e mulheres que fazem comunicação e informação sem a cientificidade construída na academia. Para estes não é necessário o diploma da academia. Aliás, minha ousadia diz que se o papel dos veículos de comunicação é garimpar informações produzidas por assessores de imprensa para publicá-las, ou editá-las e reproduzi-las; garimpagem que privilegia um texto bem escrito, dentro das formalidades exigidas pela editoria, talvez fosse melhor um professor de lingüística ou da Língua Portuguesa a fazer isso a um jornalista que pena pra burro pra dar conta de um texto enxuto, corretamente elaborado.

José Nêumanne Pinto prefaciando o livro de Serva (1997) traz uma preciosidade como exemplo. Diz ele: “um de meus mestres, talvez o melhor repórter que conheci, Mané Alexandrino Leite, do Diário de Borborema, de Campina Grande, era semi-analfabeto. Ler, ele até lia, mas escrever, nem pensar. O que lhe faltava em intimidade com o vernáculo, porém, lhe sobrava em faro para a notícia…” (pp. 12, 13).

Como já disse anteriormente há um questionamento para saber o que será feito dessa turma que já pratica jornalismo sem o diploma de jornalista. Jornalistas formados empiricamente, que não passaram pela academia, mas que exercem com profundo conhecimento a práxis jornalística. Este exemplo que Nêumanne cita no prefácio do livro de Serva é importante porque ainda há muitos que trabalham no ramo sem possuir o diploma. Falo especificamente dos jornalistas que procuram a notícia, não dos colunistas que são graduados em outras áreas e que escrevem para os jornais e revistas, ou comunicam nas rádios e nas tevês. Estes a doutora Bentes já fala com muita propriedade em sua entrevista, já citada anteriormente.

Naturalmente, dirão alguns, que se uma Lei determinar que para exercer a profissão é obrigatório possuir diploma, as empresas serão obrigadas a contratar somente os jornalistas formados, respeitando aqueles que já têm o jornalismo como profissão mesmo sem possuir o diploma. Isso é verdade, entretanto, isso não será garantia de emprego pra ninguém só porque possui diploma. Não é à toa que os detentores dos meios procuram e valorizam os free lancers. Estes continuarão a existir e a vender suas matérias sem que tenha vínculo empregatício com as empresas de comunicação e informação. Além disso, esse corporativismo tende a supervalorizar o possuidor do diploma ainda que este não tenha adquirido na academia a competência necessária para a produção da notícia. E mais, muitos continuarão (eu digo continuarão porque isso é uma prática muito comum nos meios, principalmente nos jornais e revistas) a assinar por matérias produzidas pelos já conhecidos Assessores de Imprensa, muitos deles, se não a maioria, sem sequer ter passado pela academia. Isso vai na contramão da história desses tempos contemporâneos. A história diz que a academia deve capacitar o indivíduo para aprender a aprender e aprender a fazer. Muitos jornalistas formados estão muito preocupados com a empregabilidade, mas não sabem o que fazer com a formação que teve, ou seja, não sabe verdadeiramente para que serve a sua formação senão para lhe garantir um emprego numa empresa de comunicação e informação.

VII – Conclusão

Comecei este texto com uma reportagem da Agência Brasil sobre o ministro Fernando Haddad e sua declaração sobre criar uma comissão para verificar quais as competências são necessárias para que formados em outras áreas possam atuar enquanto jornalistas. Mostrei que a posição do ministro é defensiva, já que o governo não tem uma posição oficial. Esta será construída a partir do parecer desta comissão. Mostrei, também, que o ministro não se manifesta quanto a prática do jornalismo sem diploma e que a posição do filósofo Ghiraldelli Júnior é marcadamente ideológica e preconceituosa. Esta posição eu procurei estabelecer deixando claro que a minha interpretação não foi a mesma do Ghiraldelli e pode não ser a sua.

Em seguida, fiz um paralelo com a entrevista que a doutora Bentes concedeu ao Instituto Humanitas Unisinos, o que pela minha interpretação são complementares. Passo então a discursar sobre o que vem a ser jornalismo filosoficamente falando. Meu conceito eu deixo claro: jornalismo tem uma função social. Não é concebível fazer jornalismo para comunicar um fato simplesmente. Como disse o doutor Chaparro, jornalismo tem por característica transformar a realidade. Foi por isso que lembrei neste texto do jornalista Tim Lopes para lembrar que sua morte se deu em função do seu trabalho em tentar mudar uma realidade vivida nas favelas do Rio de Janeiro. Lopes tentava nos dizer que onde o Estado é ausente, o crime se aloja, se organiza e estabelece a sua lei, uma lei que é contrária a do estado de direito.

Ainda que os meios sejam instrumentos do capitalismo para a perpetuação da sociedade tal como ela se apresenta, cabe ao jornalista dar a sua contribuição para a transformação desta realidade. Como disse Serva (1997), “O rádio já surge dominado por forças que estão prontas a emitir quando ainda lhes falta público receptor”, assim como foi o jornal impresso, a televisão e agora a internet. Esta, no entanto, traz uma novidade que foi identificada por Kucinski (internet) como aquela que devolve ao produtor a autonomia da intelectualidade, democratiza e liberta. E aqui, por meio desse novo instrumento tecnológico está, talvez, aquilo que mais aterroriza os defensores do diploma para o exercício do jornalismo. A internet possibilita que a informação e a comunicação se dê em just time; sem as amarras de um proprietário que determina que tipo de conteúdo pode ser repassado à sociedade. Esse instrumento que alargou as possibilidades de fruição da informação e da comunicação do público; que colocou em xeque algumas verdades tidas como absolutas e que permite ao público uma leitura mais acurada acerca daquilo que lhe está sendo transmitido.

Ora, eu não sou contra o diploma, como venho tentando dizer em cada parágrafo. Eu sou contra o jornalista que possui o diploma e não sabe o que fazer com o saber adquirido na academia e que faz do diploma um passaporte para a empregabilidade; e ao mesmo tempo quero dizer que se o indivíduo é capacitado para a práxis jornalística, ainda que não possua o diploma, e se esta é a carreira que ele escolheu para garantir a sua sustentabilidade e a de sua família, ele não deve ser impedido disso. Ao contrário; se a empresa que contrata um indivíduo devidamente capacitado sem o diploma acadêmico, ela deve proporcionar a ele a possibilidade de passar pela academia para adquirir um saber científico e melhorar a qualidade do seu produto. Desse modo, se o sujeito tem faro para a notícia, como disse Nêumanne referindo-se ao seu mestre, ele adquire aquele saber que eu venho dizendo todo o tempo, um saber que transforma a realidade presente para a promoção da paz de todos e todas, de valorização da ética, da solidariedade, da justiça e de redução das desigualdades.

VIII – Bibliografia

Moran, José Manuel. Como utilizar a internet na educação in Construir Notícias. Nº 31, novembro /dezembro de 2006.

Agência Brasil: http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2008/09/18/materia.2008-09-18.8640267075/view

Ghiraldelli Jr. Paulo: Jornalismo – mais uma aprontação do garotão Fernando Haddad: disponível em groups.google.com.br/group/portal-brasileiro-da-filosofia/browse_thread/thread/96ea75da8b9fb81c#: acessado em 18/9/2008, 21:30h.

Ghiraldelli Jr. Paulo. Jornalismo sem escola de jornalismo: disponível em portal.filosofia.pro.br/noticia/mec-e-jornalismo.html: acessado em 20/9/2008 às 23h.

Bentes. Ivana. Instituto Humanitas Unisinos. Disponível em www. unisinos.br/ihu/index.php?option=com_noticias&Itemid=18&task=detalhe&id=1274 acessado em 27/9/2008 às 22h.

Machado. Cassiano Elek. A universidade é só o começo: Jornal Folha de São Paulo: disponível em http://www1.folha.uol.com.br/folha/sinapse/ult1063u6.shtml acessado em 30/9/2008, às 15:30h.

O DIA on-line: Acidente entre carro e motocicleta deixa um ferido em Botafogo: disponível em odia.terra.com.br/rio/htm/acidente_entre_carro_e_motocicleta_deixa_um_ferido_em_botafogo_203173.asp. acessado em 01/10/2008 às 16 horas.

Zero Hora on-line: Acidente em Farroupilha deixa quatro pessoas gravemente feridas: disponível em http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&section=Geral&newsID=a2214289.xml acessado em 01/10/2008

Serva, Leão Pinto. Babel: a mídia antes do dilúvio e nos últimos tempos. São Paulo: Mandarim, 1997.

Pastore, José. Empregabilidade: Disponível em http://www.josepastore.com.br/artigos/em/em_076.htm acessado em 03/10/08 às 20:04h.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: